TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sábado, 23 de agosto de 2014

23.- NOVAS EMOÇÕES FERROVIÁRIAS

ANO
 9
LIVRARIA VIRTUAL em
www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
 2874


O XVII ENEQ terminou. Pelo relato de ontem aqui, ele será inesquecível para mim. Quando este sábado estiver começando, se for do agrado dos deuses que cuidam de meus voos, estarei aguardando a mala no desembarque do Salgado Filho em Porto Alegre. Sonho prepostar esta edição no aeroporto de Confins, antes de às 21h embarcar. Consigo fazê-lo com ajuda de conexão do Ricardo Gauche. A chegada a Confins se deu mais de 4 horas de deixar Ouro Preto.
No último dia do evento, autorizei-me a uma ‘roubadinha’. Fui no final da manhã à Mariana e voltei na primeira hora da tarde. A viagem foi pelo Trem da Vale.
Deixamos Ouro Preto às 10h em um trem com cinco vagões dos quais um panorâmico. A locomotiva era a diesel. Éramos cerca de 250 passageiros. Destes pelo menos duas dezenas eram participantes do ENEQ, que fizeram a mesma transgressão (sem gravidade) que eu. Isso fez que tanto nas gares de partida e chegasse e mesmo durante a ida e a volta houvesse pedidos para fotos. Há viagem de 18km durou uma hora devido à significativa descida (mais de 300m), acentuadas curvas com quatro tuneis.
Registrei duas das igrejas enquanto os sinos badalavam o meio dia de ontem. A estada em Mariana, caracterizada de maneira breve abaixo, foi de duas horas. Tempo hábil para visitação de quatro igrejas barrocas, muito próximas entre si. Visitamos também a Câmara de vereadores da primeira das cidades mineiras. No térreo da câmara vimos uma prisão ainda da época do Brasil colônia. A foto, eu com o Rodnei atrás das grades, num registro de Lilian.
Trem da Vale é um trem turístico-cultural que liga as cidades de Mariana e Ouro Preto foi inaugurado em 05 de maio de 2006. Há um Programa de Educação Patrimonial que envolve um conjunto de ações culturais voltadas à valorização do patrimônio cultural e natural das cidades históricas brasileiras de Ouro Preto e Mariana, no estado de Minas Gerais.
Entre estas cidades, o programa pôs novamente em circulação a tradicional locomotiva a vapor Maria-Fumaça, revitalizando 18 quilômetros de trecho ferroviário das estações Ouro Preto, Mariana, Vitorino Dias e Passagem de Mariana. A distância em linha reta entre Ouro Preto e Mariana é 9.1 km, a distância por rodovia é 11 km. 
O trem demora cerca de uma hora para percorrer os 18 quilômetros que separam as duas cidades, passando por túneis, vales e desfiladeiros com visão de cachoeiras e rios. Uma viagem, que para muitos, é uma volta ao passado!
Uma viagem emocionante feita numa locomotiva de 1949, percorrendo em média a uma velocidade de 20 a 25 km/h.  Há um vagão panorâmico oferecendo uma maior visibilidade da variada paisagem do percurso, sugerindo que se sentem no lado direito do trem  na viagem à Mariana.
Mais uma vez o filho do ferroviário evocou sua infância, ode as viagens de trem era algo do cotidiano. Lembrei-me particularmente do trecho Montenegro / Caxias do Sul, com suas curvas, especialmente no túnel de Linha Bonita. Este foi talvez o trecho ferroviário que percorri mais vezes, para nas férias de verão buscarmos uva na serra. Como, enquanto filhos de ferroviário, tínhamos 75% de descanso e nas férias do pai tínhamos passe-livre.
Ouro Pretolocalizada a 95 quilômetros da capital Belo Horizonte — é a primeira cidade brasileira tombada pela Organização nas Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) como Patrimônio Histórico da Humanidade em 02 de setembro de 1980. Os aspectos considerados para o tombamento foram: a preservação de suas ruas íngremes e estreitas, feitas em paralelepípedos, casas em estilo colonial, arquitetura barroca nas Igrejas e Museus, criados por Aleijadinho - Antônio Francisco Lisboa. A arte de Aleijadinho era no estilo barroco, tendência artística da época, que apresentava uma mistura de espiritualidade com racionalismo, tornando-se contraditória.
Mariana — a primeira vila, cidade e capital do estado de Minas Gerais — foi no século 17 uma das maiores cidades produtora de ouro para a coroa Portuguesa. Mariana tornou-se a primeira capital de Minas Gerais por participar de uma disputa onde a Vila que arrecadasse maior quantidade de ouro seria elevada a Cidade sendo a capital da então Capitania de Minas Gerais. A origem da cidade remonta ao final do século 17, época em que bandeirantes chegavam à região em busca do ouro. A designação de Mariana veio mais tarde, em homenagem à rainha D. Maria Ana de Áustria, esposa do rei D. João V. Na câmara há pelo menos dois retratos a óleo dela.
Foi bom, neste evento ter feito este turismo de trem. Foi bom ter vivido intensamente mais um ENEQ.

4 comentários:

  1. Vejo que nesse passeio fostes duplamente recompensado, pelo justo reconhecimento da obra, como também por doces lembranças. Nosso Brasil é um berço de maravilhas, e muitos perdem esses encantos optando pelo turismo externo.

    ResponderExcluir
  2. O mestre fazendo sua história curtindo a preservada história nossa que desconhecida por muitos. O Brasil é, mesmo, um paraíso. Afora seus contrastes sociais.

    ResponderExcluir
  3. A bela paisagem e a história de Mariana reluz com a presença e simpatia do mestre Attico!
    Agradeço pela atenção e carinho ...e pela foto....kkkk.....Mari Lima e família

    ResponderExcluir
  4. edite maria sudbrack28 de agosto de 2014 09:47

    Parabéns pela justa e sensível homenagem Abraço

    ResponderExcluir