TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

15.- Já com sabor de balanço


ANO
 12
LIVRARIA VIRTUAL em
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3329


Há que cuidar não sermos repetitivos. Como o ano passou ligeiro (aliás, isso não é tão verdade assim... quando os tempos são temerosos!) ou senso comum do tipo: dezembro é o mês mais curto do ano... 2017 se esvai e, queiramos ou não é momento de olhá-lo antes que se torne ano passado1
Esta saudade esteirou olhar um pouco mais neste temeroso 2017, uma parte de meu fazer acadêmico: o meu andarilhar disseminando alfabetização científica. O jornalista e sociólogo José Carneiro, professor aposentado da UFPA em uma de suas crônicas semanais, publicada em 25 de maio de 2014, em O Liberal, jornal líder em circulação no estado do Pará, fez assomar minha imodéstia ao me tornar o personagem-título de seu texto ‘o Missionário da Ciência’. Emoção similar também me ofereceu o colega Carlos Correia, do IFRO, ao igualar essas ações pós-modernas ao profetizar narrado no Antigo Testamento.
O número de falas (palestras, mesas-redondas, minicursos, aulas-magnas) em 2017 foi de 50, isto é significativamente menor que 2016, quando este número foi 64 ou 75 em 2015. Este ano, devido aos continuados cortes na Educação houve muitas atividades canceladas e usuais convites silenciados.
Às 50 falas de 2017 adito ainda 11 bancas sendo 6 de doutorado e cinco de mestrados. Destas 11: 5 no Rio Grande do Sul, 3 no Amazonas, 1 no Pará e 1 em Santa Catarina e 1 em Bogotá, Colômbia (celebro aqui, esta minha primeira banca no exterior) quando também proferi uma palestra na Universidade Distrital. Vale também registrar, neste 2017, outra estada no exterior: Em Volos, na Grécia, em abril, participei do 9th Mathematics Education and Society Conference (MES9 Conference).
Faço miradas nas 50 falas antes referidas: 18 foram no Mato Grosso em sete cidades diferentes; 13 no Rio Grande do Sul, 4 no Pará, 3 na Paraíba, 2 em cada dos estados de Amazonas, Santa Catarina, Bahia e Goiás; e 1 nos estados de Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo; e uma em Bogotá. Estas 50 falas foram em 23 cidades de 11 estados diferentes. Valeria ter contabilizado o número de voos e a quilometragem rodoviária (bastante significativa) percorrida.
2017 foi o ano do Mato Grosso 18 falas em sete cidades. Uma hipótese: como este estado, mesmo estando na classificação do IBGE na região Centro-Oeste, o Mato Grosso é um dos nove estados amazônicos que pertencem a Amazônia legal que associados por meio de cerca de quarenta de suas universidades e Institutos federais formam a Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática/REAMEC. Em maio dei um seminário de uma semana parte do convênio REAMEC/IFMT. Tenho também dois orientandos de doutorado que são professores da UFMT. A duas cidades (São José dos Quatro Marcos e Araputanga) fui por convite de meu ex-orientando de Mestrado Gedson Kempes.
A partir da 10ª palestra, no dia 11 de maio, no campus da IFMT de Rondonópolis, todas (apenas com exceção de uma no exterior) começaram da mesma maneira: com o punho esquerdo cerrado e levantado, bradava Fora Temer. Não ocorreu uma só vez a situação que não houvesse vibrantes aplausos das mais diferentes plateias.
Agora, há que esperar 2018.  Desejo que neste próximo ano tenhamos a garra e os sonhos dos 18. Expectante!...

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

08.- Então... formar-se no Ginásio, era uma solene celebração

ANO
 12
LIVRARIA VIRTUAL em
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3328



A data de hoje merece uma menção especial. Não por ser feriado nacional em alguns países (Nossa Senhora da Conceição - Rainha e padroeira de Portugal e de todos os povos de língua portuguesa), estadual e municipal em centenas de municípios brasileiros. A evocação comemorativa, também não é por já ter sido no Brasil dia santo de guarda.
A data é dedicada ao mais polêmico dos quatro dogmas marianos da igreja católica romana: Imaculada Conceição, proclamado em 1854. Dos quatro: o primeiro é da Antiguidade: Maria ser mãe de um Deus (Concílio de Niceia – 325) e o segundo é medieval: virgindade perpétua (Concílio de Latrão – 649); o quarto — assunção de Maria aos céus com corpo e alma foi proclamado em 1º de novembro de 1950. No terceiro dogma — o mais celebrado e o que tem o destaque comemorativo antes referido, há o pressuposto que os pais de Maria (Joaquim e Ana) a conceberam sem a mácula do pecado original, este que ferreteou a todos em consequência do pecado de Eva. E o credo neste dogma é ratificado, quatro anos depois de sua proclamação na aparição de Maria em Lourdes, perguntada a ela quem era, disse: Sou a Imaculada Conceição. Misterium fidei!
Mas, não vou exercitar aqui, uma vez mais a tese: “Religiosos ou não, vivemos em mundo religioso”. Vou atribuir a evocação a seguir a uma mera coincidência que 08 de dezembro de 1957 tenha sido um domingo e não tenha nada a ver com a festa da Conceição.
Passo à recordação pessoal que catalisou o meu teologar acerca do cotidiano: completo hoje 60 anos de formatura no Ginásio. Para fazer a tessitura memorialística do evento revisito os capítulos iniciais de Memórias de um professor: hologramas desde um trem misto. [Ijuí: Editora Unijui 501p. 2012}
Para evocar esta comemoração jubilar retorno ao ano de 1957, quando ‘me formo’ no Ginásio São João Batista, uma escola marista, em Montenegro. Esta cidade, a 80 km de Porto Alegre, como a maioria das cidades gaúchas só tinha escola pública nos cinco anos curso primária. Os irmãos maristas eram mantenedores de Ginásios em muitas cidades do interior, que eram responsáveis pela educação masculina. A educação feminina, em escolas católicas era feita em redes mantidas por irmãs. As escolas nos cinco anos do curso primário, tanto públicas como privadas, eram mistas. Os colégios luteranos eram mistos. Outras denominações religiosas, além de católicos e luteranos, não tinham presença muito significativa com escolas. Que recorde, não havia, então, Educação Infantil formal. A existência de colégios públicos para formação secundária (quatro do curso ginasial e três do ensino médio) era muito rara nas cidades do interior. No interior as mais usuais possibilidades do ensino médio eram ‘técnico em contabilidade’ e ‘magistério’, nas chamadas Escolas Normais. Esta opção usualmente determinava opções entre homens e mulheres.
Para aqueles que sonhavam ascender à Universidade havia o curso científico (para as áreas das exatas e da saúde) e o curso clássico (para a área das humanas). Estas duas alternativas, então, eram quase exclusivas em Porto Alegre.
Aqui é preciso uma explicação. No começo da segunda metade do século 20, concluir o curso ginasial [neste se ingressava por um exame de admissão, após os cinco anos de curso primário], especialmente no interior, era motivo de solene formatura. Esta se realizava no melhor clube da cidade e na mesa que presidia a solenidade se assentavam além do diretor do Ginásio, do paraninfo e dos professores homenageados, o representante dos pais, o prefeito municipal, o vigário da paróquia, Inspetor Federal de Ensino e comandante do quartel da Brigada Militar.
Na foto, do arquivo pessoal de meu cunhado Otélo Cardoso, que se formou comigo no ginásio, se pode ver, além dos formandos presenças antes referidas.
Formatura no curso ginasial (hoje seria terminar o nono ano do ensino fundamental) merecia até quadro de formatura, que antes de ir para o panteão da escola ficava exposto na vitrine da principal loja da cidade, bem em frente à praça. Não eram poucos os formandos que passavam a ostentar a partir de então anel de grau.
Na minha formatura, além do diploma havia os que ganhavam uma láurea por bom comportamento e em cada uma das matérias [como se chamavam as disciplinas] havia premiação com medalhas acompanhadas de prêmios, geralmente livros doados pelas ‘forças vivas da sociedade’. Sei que recebi três medalhas – fotografias de então mostram que uma menina, talvez de uns seis anos, finamente vestida, trazia as medalhas em uma bandeja, assim como nas Olimpíadas – na memorável noite de 8 de dezembro de 1957. Um das medalhas que recebi foi em canto orfeônico e recordo ainda o comentário do diretor Irmão Luís Benício, de que eu não merecia o prêmio, pois desafinava até o hino nacional; conquistei-a porquê a prova era teórica e eu sabia responder as perguntas do ‘Manual de Canto Orfeônico’ de Luiz do Rego, uma edição FTD. A outra medalha foi de latim. A terceira parece que foi de matemática.
Nunca me esqueço, que uns anos antes de minha formatura, talvez ainda estivesse no primário, quando o meu pai chegou de uma formatura de um filho da D. Adolfina, viúva de um ferroviário colega dele, dizendo que gostaria que um dia um de seus filhos se formasse no ginásio. Todos os sete fizeram isso, quase todos se graduaram na universidade e um deles se fez doutor. Se vivo fosse talvez contasse com orgulho, em 2002, que tinha um filho fazendo pós-doutorado ‘no estrangeiro!’.
Assim, a evocação de sessenta anos de formatura (no ginásio) no dia da Conceição, permitiu uma mirada na Educação de tempos que parecem antanhos até porque a possibilidade de ensino público mudou (e muito, para melhor) mas, neste período corre o risco de um bárbaro retrocesso — o adjetivo foi escolhido judiciosamente — com os ataques que o ensino público superior sofre em consequência de ações praticadas por um governo da República corrupto e ilegítimo.

sábado, 2 de dezembro de 2017

02.- Inhumas e Araruna: com previstos & imprevistos


ANO
 12
LIVRARIA VIRTUAL em
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3327


A blogada inaugural às edições de dezembro pode ser considerada um excerto do 'meu diário de bordo' acerca de meus navegares por partes deste imenso Brasil. Narro sucinto relato desta semana que foi sumarenta, mesmo com lamentável imprevisto.
Na noite de segunda-feira houve a penúltima sessão do ano do Fronteiras do Pensamento. Ouvir o britânico Nial Ferguson foi uma experiência muito significativa. Ouvir historiadores sempre é interessante, mesmo que muitas vezes discordemos dos óculos por eles usados para olhar os acontecimentos. A crise da civilização ocidental, particularmente da Europa e também análises sobre os Estados Unidos combalido pelo trafego de drogas foram muito válidas. As especulações de um conferencista ganham outros contornos quando se diz estar ele entre as cem pessoas mais influentes do Planeta.
Já na terça-feira começou uma inusual viagem que ainda se prolonga neste sábado, quando faço este relato diretamente da capital da Paraíba, recém sabendo que a primeira etapa de meu voo foi cancelada.
Então, à madrugada de terça-feira viajei Porto Alegre / Congonha / Goiânia. No aeroporto de Santa Genoveva era aguardado pela professora Maria Angélica, do Instituto Federal Goiás. Ela teve ação decisiva para conseguir ir a Paraíba desde Goiás. Após um café fomos à Inhumas, uma cidade de quase 60 mil habitantes na Região Metropolitana de Goiás. Para tal percorremos em quase 1,5 horas cerca de 40 km de intenso tráfego. Para o almoço Maria Angélica e eu tivemos a companhia Danila, também professora do IFG.
Ao entardecer participei com mais seis autores de uma mesa-redonda acerca de nossas produções literárias. Esta atividade antecedeu a palestra A Ciência é masculina? E, sim senhora! que fiz a atento auditório, que antes aderira ao usual Fora Temer”. Houve ainda uma sessão de autógrafos e muitas fotos. A extensa terça-feira foi concluída com saboroso jantar regado com excelente conversação, com os professores Guenther, Lorenna, Ramon, Danila, Ghesley sobre Educação e seus atuais desdobramentos.
Na manhã de quarta-feira fui ao IFG Campus de Inhumas para autografar alguns livros. Após almocei com um grupo de colegas professores IFG e à tarde ministrei uma oficina envolvendo história da ciência e propostas indisciplinares. Ao final da tarde retornei a Goiânia com  Maria Angélica ficando em hotel próximo ao aeroporto, para no dia seguinte ter facilitada a viagem à Paraíba.
Foi uma noite memorável com a esplendorosa vitória do Grêmio na Libertadores de América. Mesmo sozinho senti-me alegremente irmanado  a irmãos, filhos e a Gelsa, nos comunicando pelo WhatsApp.
A quinta-feira, último dia de dezembro, excepcional, já antes das cinco horas deixava o hotel em Goiânia rumo ao aeroporto Santa Genoveva levado, uma vez mais, pela atenciosa Maria Angélica. Começava então uma viagem extensa: Goiânia / Belo Horizonte / Recife / Campina Grande e desta Metrópole nordestina viajei por, por quase três horas, via rodoviária, à Araruna. Chego mais de uma hora após o início previsto para o curso. Mas entro, imediatamente, em auditório da Universidade Estadual da Paraíba, com cerca de uma centena de alunos e professores participantes da III Semana de Educação Científica e por duas horas mostro como a História da Ciência pode catalisar ações indisciplinares. Após autografar vários livros jantei com os colegas da UEPB Alessandra e Rui. Foram muito bons momentos de gostosas fruições.A seguir tudo que eu queria era dormir; estava cansado.
O primeiro dia de dezembro foi magnífico; pela manhã dei, por cerca de quatro horas, a segunda parte do minicurso, começado no dia anterior, com um sucesso de participação e de discussões. À tarde, depois de ter almoçado no próprio campus da UEPb no Nega Joana fiz a palestra de encerramento do evento: Uma brecha entre o nosso passado e o nosso futuro. Para ler o passado usei Sapiens e para o futuro outro livro de Harari Homo Deus.
Depois de termos mirado o passado e o futuro para espiar a nossa brecha neste presente propus uma reflexiva sinfonia em três movimentos: Primeiro movimento: uma protofonia marcada pela busca da utilidade dos saberes inúteis; Segundo movimento: um adágio acerca das exigências de estar em um (novo) mundo da Academia hoje; Terceiro movimento: um alegro contendo um apetitoso convite para deixar nossa ilha e navegar por outros mares.
Encerrado o evento com muitas despedidas, algumas marcadas pela gostosa sensação de que estávamos juntos há muito. O clima era de gostosa amizade.
Com o professor Altamir, Coordenador Geral do evento viajei à João Pessoa para na manhã de sábado estar mais perto do aeroporto e retornar à Porto Alegre. Na capital, tivemos a companhia da Elan, noiva do Altamir para saborearmos farta porção de meca — peixe que desconhecia.
Na manhã de sábado, às 5h, Elan e Altamir já estavam no hotel para trazer-me ao aeroporto. Ao pretendido check-in soube que o primeiro segmento do voo fora cancelado. Sonhos de chegar se esboroam. Pode haver imprevisto entre os eventos previsto. Esperar é preciso.
Pensava aproveitar as 5 horas de estada no aeroporto de João Pessoa para escrever e postar esta blogada. Ilusão, não havia internet. Fui à Infraero e à Polícia Federal: realmente não havia internet. Procrastino a solução para Belo Horizonte. A viagem de 2,5 h à Capital Mineira foi indormível, pois segundo o Comandante havia muito buraco na estrada.
Assim só à meia tarde posto essa edição.
Viajo às 18h30min para Campinas e devo partir às 21h para Porto Alegre com chegada prevista às 22h40min ou seja mais de 10 horas de atraso.
Ao fim e ao cabo, concluo o quanto foi significativa aditar (= na acepçãp de ser ditoso) Inhumas e Araruna na minha história de professor. Atrasos são usuais. E eles não me fazem encantar-me menos com os homens e mulheres que fazem Educação com os quais convivi nesta jornada. Valeu, mesmo! 


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

24.- Topônimos e gentílicos


ANO
 12
LIVRARIA VIRTUAL em
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3326



Reconheço que, ao invés de fazer uma blogada asséptica como a que está a seguir, deveria me manifestar, (como algumas instituições vêm fazendo) contra o documento do Banco Mundial “Um Ajuste Justo - Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil” que apregoa   o fim do princípio constitucional da gratuidade do ensino nas Instituições de Ensino Superior públicas, sob o argumento falacioso de diminuição das desigualdades, facilmente desmistificado pela observação do aprofundamento histórico das desigualdades na educação superior nos países onde este ensino é pago— como destaca o Conselho Universitário da UFRJ.
As recomendações ignoram as elevadas contribuições das universidades públicas para o desenvolvimento sócio-cultural do país, para o conhecimento científico, tecnológico, artístico e cultural como um direito humano fundamental e, ainda, que os direitos sociais consagrados na Constituição Federal não são responsáveis pelos problemas fiscais. O Brasil possui inaceitável estrutura tributária regressiva, segue pagando juros e serviços da dívida nunca auditada, conforme estabelecido pela Constituição Federal, promove sistemática renúncia fiscal para os grandes grupos econômicos e não realiza a efetiva tributação sobre a renda, a propriedade e a herança. e

É uma semana quase exótica, pois sem viagens. Em compensação na próxima uma viagem se transformará em duas. Vou a Goiás e daí a Paraíba. Este retorno ao Nordeste, onde estive na semana que passou, esteirou o assunto desta blogada acerca de topônimos e gentílicos, já assuntados na semana que passou.
Salvo equívoco, dentre os topônimos dos 27 estados e de suas 27 capitais apenas um dos estados e quatro de capitais são homenagens a pessoas. Assim, na próxima semana vou a um estado cuja capital não apenas tem nome de pessoa (como a capital do Acre), mas de Pessoa, como João Pessoa, a capital da Paraíba, onde volto depois de muitos anos.
Rigorosamente a capital do Acre é parte do nome de título dado a José Maria da Silva Paranhos Júnior, Barão do Rio Branco (1845 —1912), foi um advogado, diplomata, geógrafo e historiador brasileiro. É considerado o patrono da diplomacia brasileiro e teve papel importante na incorporação do Acre ao Brasil, quando da questão do Brasil com a Bolívia.
Outra homenagem a pessoa está na capital do Piauí: Teresina que remete a imperatriz Teresa Cristina Maria de Bourbon, que teria intermediado com o imperador Dom Pedro II a ideia de mudança da capital, e em sua homenagem deu-se o nome de Teresina, contração das palavras Teresa e Cristina.
A quarta cidade brasileira com topônimo homenageando pessoas é Florianópolis. Inicialmente Ilha de Santa Catarina depois convertida em Nossa Senhora do Desterro teve o nome simplificado para Desterro, com desagrado da população que propôs "Ondina", nome de uma deusa da mitologia que protege os mares. Descartado este nome em 1894 se quis fazer uma homenagem ao então presidente da República Floriano Peixoto, mudando o nome para Florianópolis. A escolha do nome foi, contudo, uma afronta à própria população desterrense, dado que Desterro era uma cidade fortemente monarquista e contrária à Proclamação da República. 
A redução do nome Florianópolis para Floripa não apenas uma corruptela do nome oficial, mas um continuado protesto contra a imposição de um nome oficial que desagrada aos moradores da dita ‘Ilha da Magia’.
O topônimo do único estado Brasileiro que homenageia pessoa é Rondônia (estou excluindo, por razões obvias São Paulo e sua capital). O antigo Território do Guaporé, assim designado em virtude do Rio Guaporé, fronteira natural entre Brasil e Bolívia, quando 1982, ao receber o status de Unidade federativa, recebeu o nome de Rondônia em homenagem a Cândido Mariano da Silva Rondon (1865 – 1958) mais conhecido como Marechal Rondon (título honorífico concedido pelo Congresso Nacional ao completar 90 anos foi um militar e sertanista brasileiro.
O Marechal Rondon deve ser um dos brasileiros mais homenageados com mais topônimos: um município no Paraná, uma das principais cidades (Rondonópolis) no seu estado natal Mato Grosso, ainda dois aeroportos, uma rodovia, bairros, logradouros etc.
a herança

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

17.- Um tríduo soteropolitano


ANO
 12
LIVRARIA VIRTUAL em
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3325



Inauguro esta edição comentando um gentílico que se afigura como exótico, senão pernóstico. Ele está na chamada desta edição. O Priberam dicionariza so·te·ro·po·li·ta·no :
(Soterópoli[s].topônimo [nome helenizado da cidade de Salvador] + -ense)
adjetivo de dois gêneros
1. Relativo à cidade de Salvador, capital do estado brasileiro da .Bahia.
substantivo de dois gêneros
2. Natural ou habitante de Salvador.
O exotismo parece se evidenciar em sua origem na helenização (= tornar-se conforme ao caráter grego) do nome do município de Salvador, capital da Bahia para Soterópolis (cidade de Salvador), a partir da união de "σωτήρ" (transliteração: sōtēr, -os) que significa ‘salvador’ e "πόλις" (transliteração: pólis) cidade, ambos do grego antigo. O segundo polis (cidade, em língua grega) faz parte como topônimo de centenas de cidades brasileiras: Petrópolis, Teresópolis, Ilópolis... cidade de Pedro; cidade de Teresa; cidade da erva-mate Ilex paraguariensis (nome científico da erva-mate).
O esnobismo do gentílico se expande quando se observa que em sua bandeira há uma pomba com um ramo de oliveira e o lema em latim é: “Sic illa ad arcam reversa est" que faz alusão à narrativa do Gêneses, quando Noé recebe a mensagem que as águas do dilúvio baixaram: "Assim ela voltou à arca."
Depois deste extenso e erudito preâmbulo não preciso dizer que estou em Salvador — a histórica capital da Bahia — ou melhor em Soterópolis, a Cidade do Salvador. Cheguei, no começo da tarde desta terça-feira, à cidade fundada em 1549 por Tomé de Sousa como São Salvador da Bahia de Todos os Santos como primeira capital, quando da implantação do Governo-Geral do Brasil pelo Império Português, partir do marco da fundação da cidade, no Forte (de Santo Antônio) da Barra.
A primeira capital do Brasil é notável em todo o país — e também no exterior — pela sua gastronomia, música, carnavais e arquitetura.
A influência africana em muitos aspectos culturais da cidade a torna o centro da cultura afro-brasileira. Por tal recebeu epítetos como ‘Roma Negra’ e ‘Meca da Negritude’, por ser uma metrópole com uma percentagem grande de negros. Segundo dados de 2014, cerca de 82% da população de Salvador se declarou negra. A foto, onde estou com oito alunas do curso de Química da Universidade do Estado da Bahia (UNEB -campus de Salvador) é uma amostra do perfil do alunado:' mulheres negras'.  Esta é uma realidade que Sul branco, por exemplo, não conhece.
De acordo com a Wikipédia, o antropólogo Vivaldo da Costa Lima diz que a expressão "Roma Negra" é uma derivação de "Roma Africana", cunhada por Mãe Aninha, fundadora do Ilê Axé Opó Afonjá. Nos anos 1940, Mãe Aninha dizia que, assim como Roma é o centro do catolicismo, Salvador seria o centro do culto aos orixás.
O Centro Histórico de Salvador, iconizado na região do Pelourinho, é conhecido pela sua arquitetura colonial portuguesa com monumentos históricos que datam do século XVII até o início do século XX, tendo sido declarado como Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1985. Palco de um dos maiores carnavais do mundo (maior festa de rua do mundo segundo o Guiness Book, também por isso Salvador é conhecida como "Capital da Alegria".
Meus colegas baianos foram generosos no oferecer-me experenciar a linda capital. Na quinta-feira, a Carmen e a Tatiana me levaram ao centro histórico. Parece não existir cidade brasileira com tantos atrativos como Salvador. O que vi na ‘hora do almoço’ cobriria parágrafos: passarelas do carnaval, praça Castro Alves, elevador Lacerda, dezenas de igrejas, Pelourinho onde brindaram-me com almoço no Museu Culinário do SESC com quarenta pratos diferentes. À noite nova vivência culinária exótica: a Sílvia, Rodnei e Saulo ofereceram uma rabada, algo inédito para mim.
Mas, eu não vim a turismo — mesmo que afortunadamente sempre se dê ‘roubadinhas’ e se encontre sumarentos momentos de lazer — mas para participar do XII EDUQUI Encontro de Educação Química da Bahia que nesta edição tem como mote Licenciatura em Química: Estagnação, Extinção ou Ressignificação? Recordo já ter participado de pelo menos três EDUQUIs em 2003 em Ilhéus, 2005 em Jequié e 2012 em Salvador. Na edição deste ano a Universidade do Estado da Bahia é a anfitriã.
Na manhã de quarta-feira fiz a palestra inaugural “Das disciplinas à indisciplina”. Aditei ao meu já usual ‘fora temer’ minha preocupação por ter visto naquela manhã, em um prédio do Exército duas imensas faixas com escritos algo similares a “Chega de corrupção! queremos que os militares assumam o poder”. Há temeridade nestes tempos temerosos.
Nas noites de quarta e quinta feiras ministrei oficina acerca da “História da Ciência catalisando à indisciplinaridade” para 25 professores e alunos. Agradou-me muito a atividade.
Nesta sexta-feira retorno a Porto Alegre já pensando em reencontros com muitos parceiros no fazer Educação. Alguns em Goiânia em janeiro no Eduquim e outros no Eneq em Rio Branco em julho.