TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sexta-feira, 5 de abril de 2013

05.- DOM PEDRITO, PELA PRIMEIRA VEZ



ANO
7
Porto Alegre /
Dom Pedrito
EDIÇÃO
2438
Como protofonia a esta edição, ao apresentar votos de uma frutuosa sexta-feira, adito um convite muito especial: a dica de leitura sabática poderá caracterizada como conto (quase) profético. ¡Vale curti-la, amanhã!
Quando esta edição entrar em circulação, terei percorrido uma hora das seis que separam Porto Alegre de Dom Pedrito, para onde estou viajando pela primeira vez. Aliás, percorro, agora, a mesma distância de minhas viagens bimensais a Frederico Westphalen.
Em decorrência de convites da Universidade Federal do Pampa — Unipampa — é a terceira cidade fronteiriça que visito. No ano passado estive em Uruguaiana, lindeira com a Argentina e em Bagé, como do Dom Pedrito, na fronteira com o Uruguai. Vale recordar, já referido nas edições de estadas anteriores, que a Unipampa tem campus em 10 municípios nas fronteiras gaúchas.
Tenho duas atividades na cidade: à tarde falo para professores de Ciências das redes estadual e municipal e à noite, profiro a aula inaugural dos cursos de Licenciatura em Ciências da Natureza e de Especialização em Ensino de Ciências. Retorno a Porto Alegre, às 23h.
Mais de um leitor já disse que pega carona com minhas viagens aprendendo um pouco geografia em meus relatos. Então, o convite está lançado para esta edição. Claro que não tenho atratividades a narrar como já fiz, por exemplo, de Sant Petersburgo ou Moscou, como antes contei aqui.
Dom Pedrito, com cerca de 40 mil habitantes é um dos municípios mais antigos do Rio Grande do Sul. Está na microrregião da Campanha Meridional. Limita-se ao sul com o Departamento de Rivera, Uruguai. No Estado, se limita a oeste com Santana do Livramento, ao norte com Rosário do Sul, com São Gabriel e com Lavras do Sul. A leste, o limite é com Bagé, de onde foi desmembrado.
Minha primeira curiosidade: Por que do nome: a Wikipédia — sempre oportuna — respondeu: o povoamento surgiu com o contrabando fronteiriço. Um espanhol, Pedro Ansuateguy, apelidado de Dom Pedrito, organizava esta atividade ilegal, abrindo picadas que deram origem a estradas, daí surgiu o nome do município.
O povoamento da região sede iniciou em 1800, emancipando-se em 1872. Inicialmente, denominou-se Nossa Senhora do Patrocínio de Dom Pedrito; posteriormente, passou a chamar-se somente Dom Pedrito. A partir de 1888, a sede foi elevada à categoria de cidade.
Esta região foi duramente atingida por três conflitos armados, Revolução Farroupilha (1835/1845), Revolução Federalista de 1893 e pela Revolução de 1923. O Tratado de Paz da Revolução Farroupilha ocorreu em Ponche Verde (Dom Pedrito), o que levou a cidade a ter a denominação de Capital da Paz.
Após a Revolução de 1923 o progresso tomou grande impulso na zona, principalmente nos setores de criação de gado e triticultura. Dom Pedrito sempre manteve sua área geográfica desde sua emancipação, não tendo dado origem a nenhum outro município.
No final do século 20 houve grande impulso na orizicultura no município. No início do século 21 iniciou-se o plantio de uvas para a elaboração industrial de vinho. O município também cultiva outras frutas, como o melão. Assim, a Unipampa, inserida na realidade, no campus de Dom Pedrito, oferece cursos de Enologia e de Técnicas agropecuárias.

9 comentários:

  1. Caro Mestre Attico, não só aprendemos com seus ensinamentos filosóficos, como fazemos um pouco de lúdico turístico em seus profícuos relatos. Nada melhor do que um texto leve após tão ardorosos debates.

    Boas Sendas!

    abraços

    Antonio Jorge

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    O mestre está se tornando um mito
    Em andanças que vão além de um grito
    Viajar é refrigério
    Para esse gaudério
    Chassot hoje vai para Dom Pedrito.

    ResponderExcluir
  3. Caro mestre Chassot,
    o Antonio Jorge tem razão: depois de dois dias de pauleira com o Dawkins é bom viajar com aquele que o Jair evoca com precisão como gaudério da Educação.
    Aqui um paradoxo: o nome de um contrabandista se perpetua há mais de dois séculos como de cidade; quantos mestres como o senhor tem seu nome guardados para os pósteros.
    Sugiro trocar o nome de “Dom Pedrito’ para ‘Mestre Chassot’.
    Com convicção
    L L L

    ResponderExcluir
  4. limerique

    Esse gaudério que tem asa no pé
    Vai prá fronteira mostrar como é
    Viajor de roxo culhão
    Vai tomar chimarrão
    Em Dom Pedrito, prá lá de Bagé.

    ResponderExcluir
  5. Ao grande Mestre Chassot: Cada dia surge mais um aprendizado.Hoje só venho agradecer ao Mestre pela valiosa contribuição e pelo interesse e intusiasmo que tens em passar aos blogueiros, respeitandos suas diferenças, vejo que cada dia que passa não sabemos é de nada,pois o aprendizado é infundável. Mestre como já falei algum tempo atrás feliz aquele que o que sabe e aprende o que ensina. ( cora Coralina) Ao mestre boa viagem a " Cidade da Paz " Um abraço Ley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ps: per5dão pelo erro - entusiasmo
      Ley

      Excluir
  6. Limerique

    Chassot, o entediado erudito
    Sai do marasmo e dá um grito:
    “Preciso de incivilização
    E matear bom chimarrão!”
    Dito isso, vai prá Dom Pedrito.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada Mestre por este dia maravilhoso de novos conhecimentos. Boa noite e uma boa viagem. Professora Debora Müller - Dom Pedrito

    ResponderExcluir
  8. Mestre Chassot, obrigada por sua presença em nossa cidade, sua fala é muito agradável, ouvir-lhe, é muito bom, cada palavra é um aprendizado, e para mim que sou apaixonada por Educação, é um presente. Que Deus lhe abençõe, e que possamos estar juntos mais vezes. Grande abraço.
    Roberta Antunes Argiles
    Acadêmica de Ciências da Natureza
    Unipampa Dom Pedrito

    ResponderExcluir