TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

terça-feira, 27 de maio de 2014

27.- NOMES DE EDITORA


ANO
 8
Livraria virtual em www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
 2785

Termina uma segunda-feira que foi fria. Tive aulas com quatro grupos distintos nos três turnos. Assim, não é desarrozoada a situação de ser menos fácil editar, agora, esta edição.
Penso que muitos de nós já sonhamos em ter uma editora. Eu não apenas muito acalentei esse sonho. A minha já tem até nome (e nada mais que isso). A excelente crônica de Ruy Castro, publicada no último sábado, na p. A2 da Folha de S. Paulo, tornou evidente que o nome é importante. Ao compartir o texto referido, faço público aqui o nome de minha editora. Já é bom começo;
O nome da editora De todas as profissões que conheço, nenhuma mais delicada que a do editor de livros. O que faz alguém se dedicar a ela? O trabalho é ingrato. Consiste em receber ou disputar originais, lê-los, avaliá-los e, caso aceitos, publicá-los — o que significa contrato com uma gráfica, revisão, provas, seleção do papel e da fonte, criação da capa, texto das orelhas e, meses depois, o lançamento, a distribuição, o silêncio da crítica e, quase sempre, o lento escoar do livro nas livrarias. A única parte divertida do negócio deve ser a escolha do nome da editora.
Do século 19 até há pouco, as editoras tinham o nome de seus proprietários: Paula Brito, Quaresma, Garnier, Francisco Alves, Leite Ribeiro, Costallat & Miccolis, Freitas Bastos, Schmidt, Pongetti, José Olympio, Martins, Vecchi, Ozon, Martins Fontes, Zahar, Rocco, Cosac Naify. Quando os titulares perdiam a posse de suas editoras, os novos donos não eram bobos de mudar um nome que levara décadas sendo construído.
Desde 1940, começaram a surgir os nomes mais genéricos, mas fortes, positivos, progressistas: Civilização Brasileira, Melhoramentos, Agir. Depois vieram Lidador, Record, Perspectiva, Nova Fronteira, Artenova, Objetiva, Contexto, Sextante, Autêntica, Intrínseca e tantas mais. E, a partir dos anos 60, as que se referem ao próprio ofício: Editora do Autor, Companhia das Letras, Sete Letras, Claro Enigma, Gutenberg, Graphya, Gryphus, Casa da Palavra, Iluminuras, Best-Seller, Belas Letras.
Mas eis que surge uma nova tendência: a dos nomes poéticos e evocativos –Aprazível, Capivara, Cobogó, Folha Seca, Maquinária, Boitempo, Benvirá, Suma, Lazúli, Panda, Pandora, Barcarolla, Tapioca, Veneta, Amarilys, Ouro Sobre Azul, Peixe Grande, Três Estrelas, Biblioteca Azul, Edições de Janeiro e Céu Azul de Copacabana.

2 comentários:

  1. Nome?

    Autor mundialmente desconhecido
    Com três livros publicados apenas
    Agora me tornei escritor aborrecido
    Por contrariedades não pequenas.

    Escrever textos prá mim é moleza
    Mas publicá-los já é outra questão
    Porquanto me torno vítima indefesa
    Dos editores com fome de tubarão.

    Não importa qual nome da editora
    Todas abocanham o maior quinhão
    E só confia nelas alma sonhadora.

    O autor é somente uma abstração
    Nas mãos dessa maldita impostora
    Que ganha dinheiro e só tem razão.

    ResponderExcluir