TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sábado, 24 de maio de 2014

24. – (I)MOBILIDADE URBANA


ANO
 8
Livraria virtual em www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
 2783

Depois de meu périplo belenense de quase semana, cheguei em casa, cerca do meio-dia, depois de varar madrugada em voos: Belém / Belo Horizonte / Campinas / Porto Alegre.
Senti a transição térmica. Os 11ºC daqui não pareciam muito diferentes dos gelados auditórios e salas de aula. O Norte e o Nordeste brasileiros têm uma dívida ambiental com o Planeta. Locupletam-se com ar condicionado.
Mesmo retornado, fica um pouco de mim em Belém. A oportunidade de convívio com amigos como Conceição Cabral e José Carneiro, não nos deixam voltar sem reter-nos um pouco lá.
Como diz a Conceição, há sempre ‘passagens e paragens em Belém’. Por
tal, essa blogada traz um texto do José Carneiro. O tema vale para Belém e para a maioria das cidades brasileiras, grandes ou pequenas. Vale ler sentindo-se engarrafado.
A dura (i)mobilidade urbana É indiscutível que o planeta terra se urbanizou expressivamente, de um modo muito mais rápido do que se poderia prever. As primitivas polis aristotélicas, pressupostas pelo filósofo grego como o lugar ideal para o cidadão viver, foram gradativamente se transformando nas megalópoles do atual século XXI, em função, sobretudo, do êxodo rural, com suas causas conhecidas, de expulsão e de atração. Com o inchaço desmedido das cidades, sobrevieram todos os problemas bastante conhecidos de quem as habita. Seria necessário enumerá-los? Há para todos os gostos, por isso dispenso-me dessa relação neste espaço, hoje reservado para uma reflexão sobre a chamada “mobilidade urbana”, expressão tão simpática quanto caótica, que está mudando a feição do mundo e interferindo nos hábitos e costumes da população. Como se locomover nas grandes concentrações urbanas? De um lado, temos a perspectiva aristotélica de bem comum, de outro as imensas possibilidades da engenharia e, entre esses extremos, o caos nosso de cada dia, concentrado no trânsito rodoviário mas não apenas nele. São muitas as mazelas que agridem o individuo em sua convivência urbana, necessitando de deslocamento cada vez mais complicado para o trabalho, para o lazer, para as emergências da saúde, num frenesi que acaba por solapar um dos direitos fundamentais da cidadania, o de ir e vir ao bel prazer de cada um.
Voltando a Aristóteles, é curiosa sua percepção da dimensão adequada do espaço para a satisfação humana na vida social, ou seja, a extensão e os correspondentes limites da polis seriam determinados pelo alcance do projetil disparado pela arma mais potente, precisando se levar em conta que ainda não havia sido conhecida a pólvora. Não deixava de ser plausível, em se tratando de uns tempos mais moderados, quando até a democracia podia ser exercida de forma direta pelos próprios cidadãos. Tudo pertinente para tempos tão remotos. Hoje os sonhos e as realidades são bem diferentes. O excesso de veículos, em aquisição estimulada e facilitada pelo governo, e a restrição nas vias de tráfego, aparecem como os obstáculos principais, com maior visibilidade e irritabilidade para os congestionamentos, useiros e vezeiros em todas as grandes cidades, com maior ou menor agravamento, dependendo da gestão e dos recursos. Como sabem muito bem os entendidos, a engenharia pode fazer quase tudo, depende de haver recursos para isso. Daí se pensar nas caríssimas soluções à vista, mas distantes, como metrôs de superfície, subterrâneos, tuneis ou elevados de passagens, novas vias pavimentadas etc.
Poucas cidades brasileiras, aqui incluídas também capitais, dispõem dos recursos necessários para obras de tamanho vulto, capazes de minorar as agruras das populações. De modo que, entre a visão simpática de Aristóteles e as metamorfoses que a engenharia poderia produzir na paisagem, existem as medidas atenuantes, que logo são superadas pelo crescimento avantajado dos problemas. Cidades como Belém, por exemplo, dispondo de vias fluviais cercando a cidade, ainda não souberam agir com sagacidade para aproveitar as nossas “estradas naturais”, desafogando as vias artificiais, poluidoras e causadoras de mais calor e mais incidentes. Já houve tentativas nesse sentido, sem continuidade e o quadro permanece à espera de quem implante um projeto consistente. Nem a filosofia, nem a engenharia, talvez nos reste o que a natureza oferece, impedindo que a mobilidade urbana chegue ao colapso. Será que agora é só esperar?  

7 comentários:

  1. Então, ir e vir é direito ou desafio?

    ResponderExcluir
  2. Sobre os gelados auditórios, imagine-se por 4 horas dentro de um auditório cheio de pessoas, com o calor e a umidade daqui de Belém, sem ar condicionado. Uma umidade que pode chegar a 95%, tendo a média de 85% ao ano. Quando se está na rua é quase insuportável (sentiste, né?), imagina em espaços fechados!! A gente usa o termo "breado" (preguento) pra designar o estado que se fica no calor úmido. O problema do ar condicionado é que a pessoas não regulam o ar para uma temperatura amena, é sempre 18ºC. Os calorentos sempre vencem. Outros fatores são a arquitetura dos prédios, que não favorece e nos obriga a usar os aparelhos. Não se tem nem janelões para abrir.
    Com relação à energia elétrica, sabes que temos energia elétrica pra dar, vender e emprestar, né? Fomos beneficiados com a Hid.Tucuruí (construída para produção de alumínio para exportação) que está operando 50% e nos atende bem e a outros. Belo Monte não será construída para nos atender. Não precisamos de Belo Monte. O sudeste, que não tem energia, que deveria ter a suposta consciência, não tem, que dirá de quem tem energia sobrando. Sei que este não é um argumento politicamente correto, mas... perco o amigo , mas não perco o argumento (risos). Eu falo pouco, mas na escrita (mais risos).
    Conceição

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Conceição,
      Primeiro, comento teu final: jamais perderias o amigo.
      Reconheço que pisei na bola com a abertura desta blogada.
      Fui preconceituoso com o Norte e Nordeste.
      Isto dá azo a uma blogada especial.
      Vou me redimir.
      achassot

      Excluir
  3. Tudo parado

    O bicho homem, animal gregário
    Se junta em aglomerada cidade
    Como que encolhido no armário
    Ganha calor e perde intimidade.

    Com milhões de veículos povoa
    O que deveria ser lugar de gente
    A locomoção então se esboroa
    Numa avenida onde seria fluente.

    E pensando em ser rápido para
    Naquele solo de asfalto coberto
    E vê que para pior tudo mudara.

    Pensou Homo em fazer o certo
    Com sua inteligência assaz rara
    Contudo mostrou não se esperto.

    ResponderExcluir
  4. Querido mestre!
    Vou falar de algo que parece que não tem a ver com sua blogada, porém, a meu ver, aproxima-se... Faz aproximadamente 15 dias que, após algumas conversas com minha cunhada que tem uma loja de produtos naturais e formação em enfermagem, retirei o glúten da minha alimentação. O resultado, ao menos por enquanto, é uma redução muito importante nos episódios de enxaqueca e dor de cabeça. Por que falo isso no comentário da blogada sobre ar condicionado super gelado e sobre trânsito caótico? Porque sou uma pessoa que tem esperança e acredita na utopia. De sobra. E a realidade me faz entrever frestas de possibilidades. Após parar com o glúten, tenho conversado com pessoas ao meu redor que também estão resignificando a alimentação a partir de conselhos e sugestões oriundos de saberes primevos. São pais, avós, tios que comem batata doce, aipim, tapioca e tantos outros alimentos ao invés dos pães, bolos e biscoitos. Acho que, no que diz respeito à alimentação, estamos revisitando antigos valores. Podemos fazê-lo também no que se refere à construção de prédios e mobilidade urbana. Por mais que o discurso da ciência e da tecnologia seja muitas vezes de um desenvolvimento retilíneo, esquecendo as práticas e saberes de nossos antepassados (nem tão antepassados assim), na prática, em muitos contextos buscamos recuperá-los. Resumindo, acredito na transformação de valores. Se não o fizermos por consciência da necessidade, nossa saúde e sobrevivência tornarão urgente que o façamos. Assim, acredito na mudança a partir de minha própria capacidade de mudar... Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Querido professor Chassot, permita-me ajudá-lo a assestar os óculos para olhar uma cidade na altura da linha do Equador.
    Sobre os gelados auditórios de Belém, o problema é que as pessoas mantêm o aparelho sempre em 18ºC, favorecendo os calorentos. Agora, imagine-se por 3 a 4 horas dentro de uma sala cheia de pessoas, sem ar condicionado e com o calor e a umidade daqui de Belém. A temperatura não é tão alta – 26ºC a média anual –, mas a umidade – que chega a 95%, com média de 84% - potencializa o desconforto. Diz-se que se respira água. Quando se está na rua, você bem sabe, é quase insuportável, imagine em espaços fechados!! A gente usa o termo "breado" (preguento) pra designar o estado em que se fica nesse calor úmido. Um dos problemas é a arquitetura inadequada aos trópicos, que não nos dá alternativa a não ser usar os refrigeradores. Em outras épocas, com o pé-direito bem alto, janelões, ausência de edifícios e muitas árvores, a coisa devia ser bem diferente.
    Sobre o excesso de refrigeradores de ar e a dívida com o planeta, é pela produção de gases ou pelo uso de energia? Aqui temos energia pra dar e vender, e uma única hidrelétrica que, operando com 50% da capacidade, atende ao Pará e a outros estados. Por essa (e outras) não precisamos de Belo Monte. Talvez, nossa dívida com o planeta resulte da construção de hidrelétricas, uma dívida que se estende à população do entorno, geralmente remanejada. Mas, pelo volume de água que temos, a hidrelétrica parece ser a mais adequada forma de geração de energia. Sobre educar para economizar energia, fica difícil educar um povo que tem sempre energia elétrica e a qualquer hora, quando o sudeste, que carece de energia e que deveria ter uma suposta consciência não o tem. Sei que este último não parece ser o melhor fundamento, mas corro o risco de perder o amigo, mas não perco o argumento. Voltando aos aparelhos de ar refrigerado, não lhe tiro de todo a razão, pois aqui temos muita energia, mas uma distribuição ainda deficiente, e a sobrecarga no uso de aparelhos pode deixar alguns bairros com falta de luz, o que é lamentável.

    ResponderExcluir
  6. Querido Attico,

    o problema da (i)mobilidade urbana é crescente e cada vez mais constante no trânsito caótico criado pela urbanidade. Não adianta abrir vias rápidas. Elas serão ocupadas por novos carros.

    A única solução possível é o investimento em um transporte público de qualidade, de forma a estimular mais pessoas a deixarem seus veículos em casa. Por enquanto, opto cada vez mais pela bicicleta. Para efeitos de comparação, ao deslocar-me para o trabalho a dezoito quilômetros de casa gasto 100 minutos ao vir de carro (aproximadamente 10 Km/h) e 40 minutos, quando de bicicleta (aproximadamente 27 Km/h). É a minha solução possível, neste momento.

    Abraços,

    PAULO MARCELO

    ResponderExcluir