TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

31.- ANO VELHO//ANO NOVO


ANO
 8
em fase de transição
EDIÇÃO
 2638

Parece natural que a edição de hoje se faça ferreteada com pauta obrigatória: adesão aos rituais de passagem de ano. Quando este blogue já é editado pela oitava vez no ‘dia de São Silvestre’ não há mais muita chance de ser original.
É usual se fazer retrospectivas do ano que está passando e prospectivas para o ano que se avizinha. Há peças publicitárias que dizem que se vai um velho arrastando os chinelos e surge um garoto descalço saltitante. Estes rituais de passagem são, de maneira usual, muito fortes em nós.
A significativa maioria dos meus leitores evoca o que foram as badalações, há 15 anos, quando trocamos 1999 por 2000. Recordam o ameaçador bug do milênio, quando até o primeiro acesso ao computador em 1º de janeiro de 2000 era temido? Lembro-me que quando era pequeno, muitas vezes subtraí 1939 (ano em que nasci) de 2000 fazendo cálculos que indicassem não estar mais vivo em 2000 ‘na chegada do fim dos tempos...’
Agora já estamos aqui sequiosos para amanhã abrir uma nova agenda para registrar as muitas promessas e as prováveis surpresas que estão reservadas para este não bissexto 2014. A tirinha ao lado, enviada por atenta leitora, pode oferecer bons propósitos.
E 2013? Não entendo de numerologia, mas este final 13 parece que deu marcas aziagas ao ano. Mesmo não sendo supersticioso, agasalho-me no pensamento mágico e quero ‘virar a folhinha’! Xô 2013!
Neste ano foi aziago um 20 de fevereiro, quando meu    apartamento, num sétimo andar, foi inundado. Também tive deslustrada minha autoestima — não sem desencantos com o sistema de avaliação produtivista a que são submetidos os docentes — ao ser contratado por um Programa de Pós Graduação em Educação no dia 01 de março e demitido em 31 de julho, como improdutivo, mesmo tendo apresentado denso relatório, como contei neste blogue em 31 de agosto.
Dizemos que a dimensão saúde é sempre a mais importante (e concordo). 2013, neste plano, me trouxe preocupações. Em maio tive diagnóstico que exigiu alterações de rotinas e que afortunadamente um precoce tratamento continuado já me faz quase esquecer a doença. Até o blogue que por tal abandou, por uns meses, a periodicidade diária, volta aos poucos à frequência inicial. Não bastasse este novos percalços, recebi um original presente nos dias natalinos: minha primeira pneumonia, que parece não emplacará 2014.
É ser injusto com a vida, fazer essa listagem que trouxe situações menos boas. Sou aquinhoado a cada dia com tantas alegrias, que não cabem colecionar momentos como os antes citados. Dos inúmeros ganhos preciosos que tive em 2013, dou destaque a apenas um — mesmo quando evoco silenciosamente dezenas de presentes não memorados aqui: 
10 de janeiro, nasceu a Betânia, minha nona neta que aumentou ainda mais o encanto de meu avonarNa foto a Betânia indica que fará um ano. Ela ajuda fazer melhor muitos presentes que a vida me dá a cada dia e nisso a troca de calendário, certamente, não fará modificações. Assim, adeus fatigado 2013, já te esperamos lépido 2014.

6 comentários:

  1. Muito querido mestre Chassot,
    é muito relevante saber que nossos heróis também fracassam (na perspectiva que nos foi ensinado aqui na última sexta-feira) e com humildade trazem suas dificuldades, inclusive as de saúde, ensinando-nos humanidade.
    Obrigado pela companhia em 2013 e votos de um 2014 pelo menos sem pneumonia
    Michaela

    ResponderExcluir
  2. DE SAÍDA
    Este dois mil e treze se vai então
    Trezentos e muitos dias de vida
    Pra uns foi ótimo, pra outros não
    Mas não se pode negar essa lida

    Portanto não há ano bom ou ruim
    Há apenas dias que sucedem dias
    E se não se fizera tão bom assim
    Trouxe menos dores que alegrias

    Vai ano, que outro agora te sucede
    Se não estávamos, já estamos bem
    Ser felizes nada então nos impede

    Aguardamos o bom ano que vem
    No qual felizes seremos adrede
    E viveremos até o fim também.

    ResponderExcluir
  3. Como disse o filósofo dos filósofos, Jesus Cristo, para se alcançar a plenitude é necessário nascer de novo, entrar no reino como uma criança, de candura tão bem representada pela doce Betânia. Então em 2014 vamos renascer para o mundo com os olhos da inocência, olhos puros e sinceros, destituídos de maldades na construção de um mundo melhor!

    ResponderExcluir
  4. O ano passa. Não passará, porém, os momentos marcantes de 2013.
    A pergunta é: me tornei mais humano neste ano?
    Que venha 2014.
    Não sou o Cristo Redentor, mas estou de braços e mente abertos.
    Afetuoso abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ao Mestre Chassot: hoje é um dia em que podemos dizer, que bom que em 2014 podemos continuar com os ensinamentos do mestre Chassot.Boas férias mestre! e Feliz Ano Novo. Um abraço Ley

    ResponderExcluir