TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

05.— VENDO A TERRA SANTA DESDE O MONTE NEBO


ANO
 8
T E L A V I V E - Israel

EDIÇÃO
 2674

Esta edição ocorre desde Tel Aviv-Yafo geralmente chamada de Tel Aviv ou Telavive, a segunda maior cidade de Israel reconhecida internacionalmente como capital de Israel, com uma população estimada em mais de 405.000 habitantes.
Era cerca de 15h quando ingressávamos em Israel procedente da Jordânia, mas por problemas complicados (detenção e liberação sem explicações de um companheiro do grupo) já era mais de 19h quando chegamos a Telavive, depois de uma peregrinação por Jerusalém, que serviu para recordar aqueles fruídos cinco dias da semana passada.
Mas nosso terceiro dia de Jordânia foi muito bem valorizado. Pelas 8h deixamos a inesquecível Petra, detalhada aqui ontem, e viajamos mais de 200 km para o norte, quase até Amã e depois à sudoeste até Madaba, quinta maior cidade da Jordânia com uma população de cerca de 90 mil habitantes, muito conhecida por seus mosaicos bizantinos e por sua produção de tapetes. A cidade situa-se na ''Via Regia'', uma estrada construída há cinco mil anos, a quase 730 m de altitude.
Nesta cidade visitamos o famoso mapa de Madaba (também conhecido como o mosaico de Madaba) é uma parte do mosaico que cobre o chão da igreja bizantina de São Jorge. O mapa mostra a área do Líbano (norte) para o delta do Nilo (sul) e do Mar Mediterrâneo (oeste) e o deserto árabe. Entre outras características geográficas, o Mar Morto com dois barcos de pesca, várias pontes que ligam as margens do rio Jordão, Jericó rodeada por palmeiras, Belém e outros cenários da história bíblica do cristianismo. Servia como um mapa para orientar os peregrinos em seu caminho para a Terra Santa. A paisagem é marcada com explicações em grego. Nele aparecem cerca de 150 cidades e aldeias. O elemento maior, no centro do mapa, é a descrição topográfica detalhada de Jerusalém, a partir da porta de Damasco, onde estivéramos no sábado.
Não muito longe de Madaba está localizado o Monte Nebo, local seguinte de nossa visita nesta terça-feira. O monte Nebo um monte na Jordânia com cerca de 817 m de altitude, mencionado na Bíblia (no Deuteronómio) como o local onde Moisés viu a Terra Prometida e onde morreu, sem chegar a entrar nessas terras que viu ao longe. 
Do alto do monte Nebo observa-se um panorama da Terra Santa e, para norte, uma vista mais limitada do vale do rio Jordão e do Mar Morto. A cidade de Jericó é visível também do topo, assim como Jerusalém.
Os restos de uma igreja e de um mosteiro primitivos foram descobertos no topo em 1933. A igreja foi construída na segunda metade do século 4º em memória da morte de Moisés.
Em 20 de março de 2000, o Papa João Paulo 2º visitou o local na sua peregrinação à Terra Santa. Durante a visita plantou uma oliveira, que visitamos, junto à capela bizantina como símbolo de paz. O Papa Bento 16 também visitou o local, em 9 de maio de 2009, tendo proferido um discurso e visto o panorama na direção de Jerusalém, como nós na manhã de ontem.
Ainda visitamos dois museus no Monte Nebo. Um recém inaugurado, de cenas bíblicas e do cotidiano próximo da Jordânia e outro junto de materiais históricos coletados na região.
Descemos, então dos 800 metros de altitude do monte Nemo aos 400 metros abaixo do nível do mar, para cruzar a fronteira, próximo do ponto onde o rio Jordão encontra o Mar Morto, não distante do local onde a tradição diz Jesus ter sido batizado por João Batista.
Então fizemos os complicados trâmites de deixar a Jordânia e cumprimos rigorosas exigências para reingressar à Israel.

7 comentários:

  1. Caro Chassot! Tenho acompanhado tua jornada pelo Orienta Médio nestes dias e imagino o quanto tens te maravilhado com os locais visitados. Nós aqui, a quilometros de distancia temos visto maravilhados tuas narrativas e imagens disponibilizadas. Imagino até mesmo que tens sido tentado à conversão cristã ou muçulmana nestes últimos dias. Um grande abraço desde Porto Alegre "tórrida" e os votos de uma excepcional jornada por aí.
    Abraço do JB

    ResponderExcluir
  2. Indignado com minha precaria condiÇão de internet imposta pela nefasta OI, adito ao meu comentarios votos de uma feliz conversÃo!
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Então, cesse tudo que musa canta
    Pois um valor mais alto se alevanta
    Mestre elucubrando:
    "Eis por onde ando"
    Meu caminhar levou-me à Terra Santa!

    ResponderExcluir

  4. Meubcaro amigo prof. Chassot:
    Estou acompanhando paripassu sua verdadeira peregrinação pelo oriente médio. Grato por suas postagens, que equivalem a aulas claras de locais tão exóticos.
    Grande abraço,j
    José Carneiro
    J

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Estando nesta terra os fundamentos do Cristianismo, qual será o percentual de cristãos que aí vivem?

    ResponderExcluir
  7. Estimado e atento Vanderlei!
    Na Jordânia, de onde eram os comentários, dentre sete milhões de habitantes, os cristãos são três por cento (destes a maioria ortodoxos, em menor número católicos romanos e protestantes e já aí neopetencostais).
    A estima do
    achassot

    ResponderExcluir