TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

08.- PRELÚDIOS DE LIVROS


Ano 7***  Porto Alegre   ***Edição 2198
Na terça-feira de estreias exitosas de ontem, nas turmas da manhã de mais de trinta alunos de Música e alguns de Pedagogia e de Biologia, e da noite cerca de trinta de Educação Física e tambem com alunos dos mesmos cursos, duas mensagens sobre livros, fazem a tessitura desta edição.
A primeira, um atencioso convite da direção da Escola ULBRA São Lucas de Sapucaia do Sul, para ser o autor homenageado da Feira do Livro que a escola promove a cada ano. Ter contato com os leitores é algo que me encanta. Nesta situação, com jovens da escola de Educação Básica, mais saboroso ainda. Já aguardo com expectativa quando setembro vier.
Outra, um comentário postado na edição de ontem: “Muito querido Mestre Chassot, em nome de seus leitores que aderiram a este blogue mais recente — encantei-me com seus escritos em Teresina no Simpequi, — venho pedir que nos brinde com mais alguns fragmentos do prelúdio ao livro que o senhor diz estar compondo (só esta metáfora me faz curioso). No desejo de conhecer mais do que a pequena amostra, Nonato do Acaraú.
 Talvez valesse perguntar ao Nonato se é corrente no Nordeste um dito popular, que nem me encanta muito: “Juntou-se a fome e com a vontade de comer”. Catava assunto para esta edição. Achei muito boa a dica. Trago mais alguns parágrafos. Espero que a Marilisa e o Leandro não se chateiem no tirar a surpresa do presente.
Vivo uma vez mais um gostoso desafio. Fazer a apresentação de um livro. Talvez deva creditar este fazer bastante frequente em minhas lides acadêmicas à percepção de meus colegas, que me elegem por me reconhecerem marcado pela paixão por um binômio maravilhoso: escrita leitura. Esta afeição à escrita e à leitura materializa-se por alguns livros que escrevi e por manter, há mais de seis anos, um blogue diário que pretensamente faz alfabetização científica.
Sempre me acho distinguido quando sou convidado para escrever o prelúdio de um livro. A esta distinção se adita – permito-me lateralmente dizer que uso este verbo em duas acepções distintas: adicionar e tornar (alguém) feliz, ditoso – uma imensa responsabilidade: escreve-se por último aquilo que será lido por primeiro e mais devemos com a apresentação capturar o leitor. Logo, há a imensa responsabilidade de seduzir o leitor, através de um prefácio.
Agora, a generosidade acadêmica do Leandro e da Marilisa – sim essa virtude não precisa ser exótica à academia – quis que eu fizesse a apresentação deste livro que eles produziram no amealhar de nove artigos produzidos por onze autores que têm em comum serem pesquisadores da área de Ensino de Biologia. Vivo, neste prefaciar ônus e bônus.
Aqui mais do que seduzir a um futuro leitor quero trazer apenas encantamentos de ser docente, pois os organizadores anunciam na introdução que este livro tem a perspectiva de trazer alguns elementos para “fazer com que as reflexões de professores e professoras sobre sua própria práxis, sobre seu próprio e frequente reiniciar tome forma por meio de palavras.”
Assim, vivamos, aqui e agora, o ritual de dar a lume a Docência: um continuado (re)iniciar. Permitam-me, por ser démodé, traduzir essa bonita ação de dar a lume: tornar notório, público; declarar, manifestar. Assim, cabe-me nesse prefácio fazer a epifania ou celebrar o aparecimento ou a manifestação reveladora de um novo livro. Esse ritual iniciático se faz em regozijos. Talvez, porque este ritual tenha marcas litúrgicas da epifania cristã de desvelar o escondido. 

6 comentários:

  1. Caro Chassot,
    gostei dessa última parte da tua postagem: "...desvelar o escondido.". Acho que nossa tarefa missionária do professorar se constitui numa constante epifania. Sempre digo aos meus alunos das Licenciaturas que nunca "revelem" tudo na primeira aula, pois numa alusão à história de Xerazade, é do revelar aos poucos que se garante o continuar.

    Um abraço,

    Garin

    ResponderExcluir
  2. Meu Caro Mestre Chassot: Justa homenagem neste convite da Feira do Livro da Ulbra São Lucas de Sapucaia do Sul. Aliás, este município passou a ter de mim grande admiração desde que demonstrou poucos meses atrás, grande exemplo de um despertar cidadão de sua população, ao protestar em frente à Câmara Municipal pelo aumento abusivo dos salários de seus representantes públicos. No convite que te fazem, além da preocupaçao demonstrada com a educação de qualidade, tem demonstrado grande dedicação à cultura e à cidadania.
    Abraços do JB.

    ResponderExcluir
  3. Assim como observamos e admiramos o dom divino em uma escultura, podemos tambem verificar no lecionador os dotes lhe ofertado pelo Criador. Todo Mestre é líder, tem o dom da dialética, é abnegado, dedica a sua vida na nobre missão de trazer a luz a escuridão da ignorância. Um bom professor, a todos conquista. Quem não tem boas recordações de seus mestres. A arte de ensinar é sagrada. E nada como o bom exemplo para evocar vocações.

    abraços,

    Antonio Jorge

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    O professor sente necessidade
    De prefaciar livro sem maldade
    Deixar as chatices
    Lamúrias e bobices
    E leitor conquistar de verdade.

    ResponderExcluir
  5. Marilisa Hoffmann8 de agosto de 2012 14:15

    Querido professor Chassot
    Seu texto está ficando maravilhoso, como sempre! Muito obrigada!
    Uma grande alegria poder participar de tudo isso.
    abraço,
    Marilisa

    ResponderExcluir
  6. Bravo Mestre Chassot,
    senti-me querida e academicamente contemplado na edição de hoje, pelo fato de minha sugestão ser atendida.
    Fiquei com gosto de 'quero mais' mas saberei conter-me,
    a gratidão do
    Nonato de Acaraú

    ResponderExcluir