TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sexta-feira, 20 de abril de 2012

20.- DE UM DIA BINACIONAL BRASIL/ARGENTINA



Ano 6*** Uruguaiana / Porto Alegre ***Edição 2088
Esta edição começa com pedido de desculpas aos meus leitores que são corujas na madrugada. Pensava fazer postagem a bordo, não havia conexão no ônibus.
Limito-me a redigir a bordo este texto, nos momentos iniciais da viagem. Assim só estou postando essa blogada já tendo vencido a viagem de volta. Vou contar um pouco de minha jornada binacional de ontem.
Cheguei às 6h30min à Uruguaiana. Foi uma viagem de recuperador dormir em confortável ônibus parecia um tapete mágico. Chovia gostosamente alegrando plantas e animais em uma terra ressequida por duradora estiagem.
Era aguardado, gentilmente, na Rodoviária pela professora Diana Paula Salomão de Freitas. Chegados ao hotel houve um problema técnico com a reserva feita pela UniPampa. Outras buscas foram infrutíferas. Terminei atenciosamente acolhido em sua casa.
Às 10 h, com as Professoras Diana e Sílvia Dias, do curso de Fisioterapia fomos dar uma circulada pela correntina Paso de los Libres. O passeio se iniciou com a travessia da ponte rodoferroviária sobre o rio Uruguai. Na cidade visitamos a igreja de San José, a praça fronteira a intendência onde se pode ver lindos painéis com peças cerâmicas de vários países e o imponente parque da costanera, às margens do Rio Uruguai.
Nossa estada na Argentina foi de cerca de duas horas, nas quais não resisti incluir uma visita a uma loja de roupas masculina e comprar algo com pretexto de que a virada de temperatura, devido a chegada de uma frente fria, exigia um blusão como abrigo.  Uma prova de quanto somos controlados: nesse breve período recebi pelo menos seis mensagens da operadora de telefone me oferecendo 'vantagens' no exterior, onde ela sabia que eu estava.
 Também houve tempo para saborear um café com media lunas em companhia de minhas duas atenciosas anfitriãs. Na foto com Silvia minha direita e Diana à esquerda na praça em frente da Intendência de Paso de los Libres. Na volta já havia céu azul e ao final da tarde pude ver o cantado pôr-do-sol fronteiriço.
À tarde das 15h às 17h30min participei de uma ‘Roda de conversas’ destinada fundamentalmente a professoras e professores de Educação Básica das redes públicas e particulares de Uruguaiana e Bagé. Nesta cidade a participação foi por web conferência. As interrogações tiveram como ponto de partida uma fala que fiz seguidas de interrogantes dos dois campi. Atividade foi especialmente prestigiada pela presença de uma delegação da Coordenadoria Regional de Educação de Uruguaiana.
À noite, no mesmo local da tarde: o ginásio integrado dos campi PUC & UniPampa, com um grande público, prestigiado por autoridades acadêmicas e lideranças municipais proferi a aula magna de 2012 da UniPampa. Tentei responder por quase duas hores: O que é Ciência, afinal?
Foi emocionante ser aplaudido de pé por um imenso auditório e receber também efusivo agradecimentos vindos de Bagé, onde docentes e discentes também participaram da aula magna.
Devo registrar que nos dois momentos (tarde e noite) houve manifestações de apreço pelas falas, muita tietagem com fotos. Os sete títulos de livros que lotavam a mala deram lugar para as duas caixas de vinho que comprei em Libres. Sou muito grato aos bolsistas do PIBID que foram muito competentes livreiros;
O Memórias de um professor: hologramas desde um trem misto teve um emocionado lançamento, integrando de maneira muito densa a Universidade Federal dos Pampas a minha história.
Uma corrida contra o tempo para chegar à Rodoviária para tomar o ônibus foi o único momento de tensão da gratificante jornada. Tudo chegou a bom termo por uma ajuda muito solidária pelo Guto. Agora já foram vencidas às oito horas de viagem estou na Morada dos Afagos.
Está também explicado porque esta blogada entra a circulação fora de seu horário habitual e se faz apenas com uma página do diário de um viajor. Uma boa sexta-feira! Amanhã nos lemos marcados noutro diapasão.

5 comentários:

  1. Meu Caro Chassot
    Me senti saudoso desta região agora, pois faz tempo que não ando por aí. Saudades de Uruguaiana. Estive pensando esta semana que a galeria que criamos na apresentação deste blog já está incompleta, pois necessita a inclusão da nova obra. Que tal fazermos uma repaginação na apresentação do Blog? Abraço e me coloco à disposição desde já. JB

    ResponderExcluir
  2. Caro Chassot,
    Parabéns pelo bom êxito de sua jornada fronteiriça e pelo acolhimento que teve naquelas paragens. Abraços viajores, JAIR.

    ResponderExcluir
  3. Hendney Fernandes20 de abril de 2012 12:14

    Mestre AChassot,
    Obrigado por sua vinda a fronteira oeste! foi um prazer imenso conhece-lo pessoalmente,sua aula foi nota dez, nossa UniPampa e Uruguaiana agradecem.

    ResponderExcluir
  4. Muito estimado Hendney,
    obrigado por assinalares o reconhecimento por minha estada na UniPampa.
    Agradeço a maneira fraterna como me acolheste e também o livro de casos que presenteaste. Sou grato por tuas manifestações prévias a minha esta aí.
    Com amizade e admiração.
    attico chassot

    ResponderExcluir
  5. Caro Chassot,
    acho que tiveste grande vantagem com o problema técnico da reserva do hotel. Já estava quase chegando ao final e não encontrava o principal: a caixa de vinhos! Uruguaiana é uma cidade que prezo muito: foi nela que nasceu a minha filha, hoje com trinta e dois anos. Foi na fronteira oeste que vive alguns dos melhores anos da minha vocação/profissão pastoral.

    Forte abraço, de Pelotas.

    Garin

    ResponderExcluir