TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

14.- Cubeiro... afinal o que é isso?


Porto Alegre Ano 5 # 1533

O primeiro registro há que referir as emoções da retirada de Luis Urzúa – o 33º e ultimo mineiro –, cerca de 22 horas do primeiro. Algo inenarrável. O Chile e o mundo vibraram.

A blogada desta quinta-feira ainda esta ancorada em minha estada em Curitiba, na quinta e sexta-feira da última semana. Quando, em algumas de minhas falas, miro a Ciência e a Tecnologia, comento que ainda nos anos 1950 havia ‘cubeiros’ e digo, que ainda em 1957, os conheci em Montenegro.

Isso mereceu, no sábado, uma atenciosa mensagem de Moisés Lara, que transcrevo na íntegra:

Boa tarde mestre,

estou muito feliz em conhecê-lo pessoalmente aqui Curitiba, já o havia encontrado no ENEQ em Brasília, mas não tive a oportunidade de conversar e dizer o quanto admiro seus livros e, principalmente a clareza com a qual fala e escreve.
Sou eu que o senhor me pegou com aquela pergunta sobre os cubeiros. Sou muito curioso e adoro conhecer palavras novas ou pouco usadas, mas cubeiros eu não me recordo de ter visto antes, o que me rendeu uma pesquisa na internet para saber um pouco mais.
Como eu disse para o senhor, também sou blogueiro, infelizmente não estou muito assíduo por falta de tempo. O senhor sabe como é o último ano da graduação, e a preparação para a seleção do mestrado.
Convido o senhor a fazer uma visita a algum dos meus blogs abaixo.
* Blog do Prof. Moisés (http://blogdoprofmoises.blogspot.com/)
(voltado principalmente a estudantes do ensino médio, mas em breve, também quero discutir com docentes, sobre uso de analogias, obstáculos epistemológicos e alfabetização científica.)
* In Profumo Veritas (http://inprofumoveritas.blogspot.com/)
(blog onde eu me aventuro a fazer algumas críticas e sugestões sobre perfumes)
* Caviar com Salsicha (http://caviarcomsalsicha.blogspot.com/)
(blog para eu escrever sobre outros temas que não cabem nos demais, como histórias de viagem, da época que vivi no exterior e outras anedotas).
* Tolinkado (http://tolinkado.blogspot.com/)
(nesse blog eu me aventuro um pouco sobre política, violência e mazelas sociais.
Desejo lhe um ótimo final de semana.

Moisés Lara, 08/10/10

Visitei os quatro blogues. Encantei-me. Há aí uma fértil sugestão para gostosas descobertas, oferecidas por um professor de Química que completa a sua formação na licenciatura em Química na UFPR. Destaco por exemplo, o que trata de perfumes. O nome do blogue surge a partir de um transmutação da máxima latina ‘In vino veritas’ [= ‘No vinho a verdade’ ou ‘A verdade através do vinho’] para ‘A verdade através do perfume’. Perfumistas ou curtidores de perfume encontram neste blogue conhecimentos odoríficos.

Mas tive uma gostosa surpresa. Eis um texto postado na sexta-feira:

A História dos Cubeiros e dos Tigreiros

Hoje foi um dia espetacular. Participei do curso do mestre Chassot sobre a História e Filosofia das Ciências e, posso dizer que fiquei encantado com as curiosidades sobre fatos históricos e como eles afetam a nossa visão da ciência. Tudo isso numa linguagem envolvente, aqui e ali pontuada de muito bom humor.

O curso teve duração de duas tardes, sendo hoje a segunda e última parte do curso. Infelizmente, porque adoraria passar mais algumas tardes tão ricas e agradáveis quando foram estas.

Mas o que quero comentar aqui não é sobre o curso em si, sobre o qual eu não saberia descrevê-lo em poucas palavras, dada a vasta riqueza de detalhes e análises discorridas por nosso mestre, tampouco saberia fazê-lo com a mesma beleza e clareza, pelas quais nós nos encantamos. Para tal, eu aconselho a leitura de suas obras, indicadas no Blog do Mestre Chassot e, para quem tiver a oportunidade, ouvi-lo em algum de seus inúmeros cursos pelo país afora.

Pois bem, a história da qual quero comentar é sobre os cubeiros. Vou tentar me fazer entender.

Durante a sua explanação, o mestre Chassot gosta de interagir e perguntar se as palavras menos conhecidas estão sendo compreendidas pelo seu público. Então, após ter afirmado que eu conhecia algumas daquelas palavras pouco usuais, ele, bem humorado, passou a me desafiar com as outras palavras que surgiam e, é claro, apareceu uma que eu por mais que tentasse não consegui encontrar o seu significado.

A palavra é cubeiro, da qual, salvo algum lapso de memória, jamais ouvi falar. Cheguei a pensar semanticamente em cubas, como espécie de bacias, tigelas ou aquários, alguma coisa do gênero, mas o que seria um cubeiro isso eu não consegui imaginar.

O mestre Chassot, feliz por ter me apanhado nessa, explicou-nos que cubeiro se referia a uma profissão que existia na época em que as casas não tinham fossas sépticas nem água encanada. Nessa época, as latrinas tinham um recipiente de capacidade de mais ou menos vinte litros que coletava os dejetos que eram descartados em algum rio próximo e, era o cubeiro que passava nas casas coletando esse material nada precioso.

Depois disso, induzido pelos comentários de nosso mestre, fiquei imaginando como seria a tal profissão, conviver dia-a-dia com dejetos mal-cheirosos, potencialmente patogênicos e, provavelmente sem usar luvas e equipamentos de proteção. Sem falar no preconceito da sociedade para com essas profissões ingratas. Como será que seria chegar a um baile, nessa época, e se apresentar como cubeiro?

Lembrei-me de outra história semelhante, desempenhada pelos escravos em algumas capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, Salvador e Recife, que tinham a sina de ir todas as manhãs despejarem ao mar os dejetos mal-cheirosos de seus senhores.

Conta-se que os Tigreiros, como eram chamados esses escravos, desfilavam pelas ruas da cidade, em meio a vísceras de animais e restos de vegetais em estado de putrefação, espalhados por todo lado, carregando as barricas na cabeça. Conforme se locomoviam, o conteúdo ia respingando sobre os ombros e as costas dos infelizes, o que provocava manchas na pele semelhantes às de um tigre, daí o apelido de Tigreiros.

Nessa época, em algumas cidades, todo o lixo doméstico e até mesmo os penicos eram despejados do alto dos sobrados diretamente sobre a rua, muitas vezes acertando a cabeça dos transeuntes e tornando-a uma verdadeira fonte de doenças como varíola, disenterias, febres e tantas outras.

Apenas no final do século XIX que médicos e autoridades passaram a se preocupar com a onda de doenças e começaram aplicar leis para disciplinar a coleta e o destino dos dejetos.

Bem, seguindo o conselho do mestre Chassot, que disse que devemos ser sempre curiosos, vou deixar o resto da história para quem quiser pesquisar e descobrir o que se fez, ou se deixou de fazer, até os dias de hoje sobre a questão do saneamento do Brasil e, mais uma vez recomendar os livros do mestre.

Ao texto do Moisés adito algo. A palavra cubeiro não está dicionarizada nos usuais dicionários da língua portuguesa. O dicionário Priberan de Portugal registra como adjetivo nas seguintes acepções: 1. Que esteve em cuba. 2. Que tomou o gosto da cuba.3. Feito em cuba. Cuba = grande vasilha de aduela (tábua preparada para vasilhame).

Na sessão ‘Sofiapédia’ do Sete escritos sobre Educação e Ciências. [CHASSOT, Attico. São Paulo: Cortez, 2008, 285p. ISBN978-85-249-1377-8] há verbete ‘cubeiro’ assim relatado: Os cubeiros eram aqueles que recolhiam as fezes nas residências. Ainda na metade do século 20, a maioria das residências, mesmo nas cidades, não dispunha de água encanada e, consequentemente, os vasos sanitários eram desconhecidos. Havia as ‘casinhas’ no fundo do pátio e como as limitações de terreno não permitiam que fossem mudadas de lugar, quando o buraco que ficava abaixo do ‘trono’ estava cheio, havia barricas da madeira - chamadas de cubos -, de cerca de 20 litros, que semanalmente ou bi-semanalmente eram recolhidas por profissionais conhecidos como cubeiros. Em Chassot (1995) conto um pouco acerca da profissão dos cubeiros, que (felizmente) não existe mais e que conheci, ainda nos anos 50 em Montenegro, RS.

CHASSOT, Attico. Cubeiros - uma profissão que (felizmente) não existe mais p. 115-125, In D’ÂNGELO, Ana Lúcia Velhinho. Histórias de Trabalho. Porto Alegre: Unidade Editorial, 1995. Este livro reúne os textos premiados do concurso ‘História do trabalho’ edição 1995 da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Sei que o assunto não é perfumado. Mas foi parte da história de quem tem mais sessenta anos. Ouvi mais de uma vez de minha mãe a ameaça: “Estuda meu filho! Se não vais ser cubeiro!”. Depois disto, apenas desejo de uma excelente quinta-feira.

5 comentários:

  1. Caro mestre,
    sinto-me imensamente lisonjeado com a postagem de hoje!
    Tenho apenas uma correção a fazer, onde eu escrevi blogueiro, deveria ter escrito bloguista como o senhor me corrigiu em outra ocasião.
    Mais uma vez, receba minhas sinceras saudações pelo Dia do Professor!

    Um Abraço

    Moisés Lara

    ResponderExcluir
  2. Meu muito estimado Moises,
    os méritos da edição de hoje são teus.
    Muito obrigado pela parceria de juntos fazermos alfabetização científica.
    Amanhã meus leitores professores receberão homenagem especial que já te antecipo.
    Parabéns pela nossa data,
    Com admiração e estima
    attico chassot

    ResponderExcluir
  3. Inesquecível Chassot,

    Ministrando aulas sobre História e Filosofia da Química, "apresentei" os cubeiros aos meus alunos através de tua escrita. como disse, você sempre se faz presente nas minhas aulas e as tornam agradáveis.
    Obrigada mestre e parabéns pelo seu dia!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Bah... agora ouvi minha vó com 89 anos falar dos cubeiros... achei que não era verdade... ,as ao pesquisar na net qual foi minha surpresa apareceu " os cubeiros"... tudo o que ela falou com tanta propriedade e conhecimento de causa me deixou muoto emocionado e feliz por estar ouvindo suas histórias do tempo do "epa"... obrigado!

    ResponderExcluir
  5. Bah... agora ouvi minha vó com 89 anos falar dos cubeiros... achei que não era verdade... ,as ao pesquisar na net qual foi minha surpresa apareceu " os cubeiros"... tudo o que ela falou com tanta propriedade e conhecimento de causa me deixou muoto emocionado e feliz por estar ouvindo suas histórias do tempo do "epa"... obrigado!

    ResponderExcluir