TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

13.- De fazeres e lazeres com carnaval ausente aqui!

ANO
 12
FÉRIAS 2018
Www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
3340



Esta é mais uma edição — a terceira da série ‘férias em Lisboa 2018’ — inserta em alguns assentamentos do ‘diário de um viajor’. Narro algo de nosso domingo e segunda-feira lisboeta.
O domingo, 11 de fevereiro, chuviscoso, mesmo que menos frio. Tínhamos, mais uma vez, muito a conversar com Joe & Teresa, que o café da manhã, que em Portugal se chama ‘pequeno almoço’ se transformou naquilo que os ingleses denominam ‘branch’: café da manhã + almoço.
Já assava do meio doa quando a Gelsa e eu fomos ao Museu de Arte Moderna do Chiado. Ali entre algumas exposições destacamos duas: #1 A MÃO-DE-OLHOS-AZUIS-DE-CÂNDIDO PORTINARI, que mesmo constituída de apenas dois obras, poucas vezes disponibilizadas ao público (Tocadores de Chorinho e Cavaleiro do Carnaval) eram acompanhadas por um excelente vídeo onde era destacado “o Pintor Social” onde conheci uma dimensão política do pintor. #2 GÊNERO NA ARTE, CORPO, SEXUALIDADE, IDENTIDADE E RESISTÊNCIA com uma riqueza de informações acerca de uma temática muito nova.
Do alto do Chiado descemos, numa diversificada paisagem, até às margens do Tejo, onde visitamos o Mercado da Ribeira Alta e nos impressionamos com a praça de alimentação, tomada de gente fruindo de pratos dos melhores restaurantes, produzidos por renomados chefs a preços mais populares.
À noite fizemos extensa caminhada com Teresa & Joe para ir jantar, onde o melhor foi privarmos de seleta conversação com nossos anfitriões. Era também a despedida do Joe, que no dia seguinte retornava à Londres.
A segunda-feira foi ensolarado com céu de brigadeiro. E isso era significativo por visitarmos então a Fundação Calouste Gulbenkian, onde aos lado de conhecermos um dos maiores e mais ricos museus pudemos fruir um pouco dos lindos jardins, com os mais diversos recantos. Foi significativo ver na livraria o livro de Química Orgânica, do Morrison & Boind — no qual conheci pela primeira vez o nome Gulbenkian — que usei como aluno e depois como professor de Química Orgânica na PUC.  
Ao entardecer da agradável segunda-feira, nos encontramos com a Teresa para um programa aparentemente trivial: andar de bonde gaiola, partindo do Cemitério dos Prazeres. Os elétricos como são chamados os bondes aqui servem a população em algumas linhas, mas são tomados pelos turistas, que os preferem pela excentricidade do meio de locomoção e também pela facilitação no trânsito por ruas íngremes. Eu me lembrei muito dos bondes gaiolas que muito usei em Porto Alegre, quando comecei a estudar no Júlio de Castilhos em 1958, especialmente do ‘São João’ que me levava até a Praça Parobé, para então subir até a Riachuelo tomar outro bonde para a Azenha. 
Nesta programação assentei-me para papo com o Fernando Pessoa.
O jantar à noite marcou a despedida que nesta manhã de terça-feira retornou a Londres. A Gelsa e eu vamos fruir mais quatro dias a simpática capital portuguesa, que certamente produzirá outros relatos aqui.
Mesmo que aqui na se festeje o Carnaval vibramos saber que um mote do carnaval brasileiro este ano é “Fora Temer”. Sempre resta uma esperança, muito obrigado Paraíso da Tuití!

2 comentários:

  1. Imagino que andar por Lisboa é fruir de parte da nossa própria história. Ou Brasil foi apenas colônia de férias portuguesas? Descanse Mestre, pois 2018 parece que vai começar...promete. Acordaremos ou continuaremos a sambar um samba fake produzido em container chinês ao balanço das águas oceânicas? Um verdadeiro "samba vampiro". Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Saudações sorocabanas Chassot! Quem dera Sorocaba conservasse alguns de seus bondes, quando em 1935 podiam trafegavam pelas ruas centrais. Existe, na atual Praça 9 de Julho, um ponto do bonde da época. O espaço permanece, mas os bondes se foram. Não há memória que garanta continuidade das tradições quando o "progresso" econômico determina a História. Isso à parte, vê-lo ao lado de Fernando Pessoa é um privilégio a ser compartilhado, como tu o fazes. Nossa gratidão! E por falar na Tuiuti, ela ficará para a História do Brasil, sem dúvida alguma! De forma certeira "lavou-nos" com o grito a nos unir: Fora Vampiro Temer!!!

    ResponderExcluir