TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

terça-feira, 18 de outubro de 2016

18.- Mais uma vez em PORTO VELHO


ANO
 11
Breve, um novo livro
Das disciplinas à indisciplina
EDIÇÃO
 3216

Estou mais uma vez na Amazônia, mais precisamente em Porto Velho. A primeira vez que estive aqui foi em 1975 quando a cidade era a capital do então Território Federal de Rondônia (que passou a categoria de Estado em 1986). Fiquei de 6 de janeiro a 6 de fevereiro e participei como professor de Química no Curso de Licenciatura de 1º Grau, que a UFRGS mantinha no seu Campus Avançado de Porto Velho. Essa atividade era parte do Projeto Rondon. Recordo que partimos da Base Aérea de Canoas, em um velho DC-3 da FAB. Era talvez a minha segunda viagem de avião. A viagem era uma operação militar e a fizemos em duas etapas. No primeiro dia viemos até Cuiabá, de onde partimos, como previsto, só no dia seguinte. Não recordo onde dormimos (hotel ou quartel), mas sei que a janta foi num quartel. No mesmo DC3, voamos a Porto Velho.
Agora, estou a quarta vez em Rondônia. Cheguei na noite de ontem (segunda-feira), depois das 22 horas, no horário local, quando pelo horário de Brasília já era terça-feira. Foi uma viagem em duas etapas, Porto Alegre / Brasília / Porto Velho 2000 Km + 2600 km, viajando do paralelo 30º ao 8º, portanto na região equatorial.
Estive aqui uma segunda vez em 2010, quando tive atividades na capital (na UNIR) e em Ariquemes, a 200 km de Porto Velho. No ano passado, estive em Ji-Paraná e Cacoal.
 Agora por dois dias tenho atividades no IF-RO. Esta manhã fiz a palestra A Ciência alimentando a vida como abertura a Semana de Ciência e Tecnologia 2016. Não pude deixar de fazer uma fala marcada pela dimensão política, apresentando, fundamentado em especialistas, consequências se houver êxito do governo golpista na aprovação da PEC 241. O tom desta fala valeu-me o convite para, antes da fala da noite, participar de reunião com lideranças sindicais locais.
Hoje à noite terei uma segunda palestra: “O que é Ciência, afinal? Amanhã no mesmo evento tenho pela manhã a palestra A Ciência é masculina? É, sim senhora! e à noite o minicurso: História e Filosofia da Ciência catalisando a indisciplinaridade.
Esta breve blogada não pode deixar de fazer um registro da fidalguia do acolhimento que recebo aqui de docentes, discente e servidores do IF-RO. Se fosse citar nomes, haveria um extensa ladainha e certamente teria omissão. É muito bom autografar meus livros, tirar fotos com estudantes e com dirigentes acadêmicos. É agradável rever locais pelos quais perambulei há mais de 40 anos. É muito bom fazer este registro no diário de um viajor. Vejo nesta viagem a ratificação de meus fazeres na REAMEC-Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática.

2 comentários:

  1. Imagino o Mestre em 1975 desbravando espaços para inserir ciência. Seria como Diderot ao iniciar a organização dos conhecimentos historicamente acumulados na Enciclopédia em meados do séc XVII?
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir