TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

28.- DESDE PAU DOS FERROS


ANO
 10
LIVRARIA VIRTUAL em www.professorchassot.pro.br
EDIÇÃO
 3074

Mais uma vez, estou em uma cidade que deve ser desconhecida da maioria de meus leitores, como foi, na semana passada, Iguatu. Esta cidade cearense, aliás, não fica muito distante de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte, aonde cheguei ao entardecer desta quarta-feira. Por razões particulares, não participarei de uma mesa redonda esta manhã, pois antecipei meu retorno. Esta manhã, às 8h, viajo por via rodoviária a Juazeiro do Norte. Dali, voo Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre aonde devo chegar quase 22h.
Na quarta, deixei Porto Alegre às 6 horas. Fui ao Rio de Janeiro, aonde fiquei cerca de 30 minutos. Então em uma longa viagem de mais de 3 horas, cheguei à Fortaleza; cheguei depois do meio dia. Ali era esperado pelo prof. Dr. Ulisses, que já em janeiro iniciou as gestões para este estar aqui e pelo Joaby, competente motorista do IF-RN, campus de Pau dos Ferros.
A viagem rodoviária, de cerca de 350 km, praticamente toda em território cearense, é dolorosamente impactante, de maneira especial quando se deixa a zona litorânea e ingressa na região do semiárido, que agora deveria chamar-se superárido. Deste 2008, não chove de maneira consistente na região. Isto a torna desértica. Percorrem-se dezenas de quilômetros sem avistar qualquer plantio ou gado de qualquer variedade. A região é formada por dobradas, fazendo o terreno muito íngreme, pois há muitas serras. Num trecho a estrada é carroçável, e isto aumenta o impacto de desolação.
O Joaby e o Ulisses foram mais que competentes cicerones, narrando a região, a começar pela versão da etimologia do nome de PAU DOS FERROS: ser uma referência a uma árvore que, pela sua grande dimensão, oferecia sombra e consequentemente um local para repouso dos vaqueiros que deram origem ao povoamento da região. Estes prendiam suas montarias com ferros na árvore.
Cerca de hora depois de chegar de uma viagem de mais de 13 horas, fiz a primeira palestra de mais de duas horas “Assestando óculos para ler o mundo” para mais de uma centena de professores. Os docentes e discentes de vários campi do IF-RN, me acolheram carinhosamente. Personalizo na profa. Dra. Ayla, coordenadora do curso de Química, meu reconhecido agradecimento a cada uma e cada um por esta acolhida.
Porém as emoções maiores ocorreram na fala da manhã de ontem. Quando entro no auditório Ariano Suassuna, com capacidade para 250 pessoas; muitos por falta de lugar estavam assentados no chão, todos se põem de pé e aplaudem vigorosa e incessantemente. Nunca, antes vivera tal emoção. Minha fala, apresentada pelo Prof. Dr. Maurício Façanha, amigo de há muito, foi “Das novas exigências de estar no mundo da academia”. Das muitas manifestações destaco a do Prof. Dr. Wyllys, um dos pró-reitores do IF-RN, que ao final da fala veio a público e disse que enquanto biólogo e pesquisador do meio ambiente, em seus 30 anos de magistério, a minha fala foi das mais significativas que assistira. Foi mais generoso ainda: Citando autor que referiu, disse que seu conceito de felicidade é um estado de bem estar que a gente não quer que termine. O prof. Wyllys disse viver uma momento de não desejar que a minha fala terminasse.
O almoço foi com um grupo de professores e dirigentes do IF-RN, na casa da Profa Antônia, diretora do Campus do IF-RN de Pau dos Ferro. Saboreei pratos típicos que desconhecia. A tarde dei um minicurso: “Saberes primevos fazendo-se saberes escolares”.
Tirei centena de fotos e autografei dezenas de meus livros. A propósito fotos, fiz-me fotografar junto a um jovem (5 anos) baobá. Esta árvore evoco sempre as histórias do Pequeno Príncipe de Saint Exupéry. Nunca antes vira ao vivo está árvore. 
Em se tratando de natureza, um registro singular: Em minhas falas aqui, como também nas de Iguatu, abri com um prelúdio, fazendo uma breve referência à encíclica "Laudato Si'. Quase todos meu ouvintes, então, tiveram o primeiro conhecimento da mesma.

À noite confraternizei com um grupo de professoras e professores do IF-RN num centro de eventos, que se diz ser o maior espaço potiguar para concentrações. Mais fotos e autógrafo marcaram esta quase despedida de momentos com novos momentos de aprendizados acerca do que fazem estes docentes, que me emocionaram.
Devo ao cabo deste relato acerca de um rápido, mas muito gratificante estar no Campus do IF-RN de Pau dos Ferros, dizer que é muito difícil estar saindo sem cumprir toda agenda. Muito queria estar na mesa-redonda desta manhã e na entrevista à televisão programada. Agradeço aos que gestionaram para que eu pudesse, não sem dificuldades, antecipar meu retorno.

10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É sempre uma honra e um prazer imenso poder desfrutar deste nobre "missionário da Ciência", principalmente no IFRN, onde pude colaborar com a implantação da Licenciatura em Química. Que tenha sido apenas o primeiro encontro em terras potiguares...

    Obs: Ainda não consegui aquela quarta consoante como título acadêmico, por enquanto ainda grafo Me, mas o nome, que bem usas neste espaço, também me enobrece, como uma referência à maestria na Educação Química e como um Baobá, me faz sentir, sempre que ofereço a sombra do conhecimento ao ajudar futuros e presentes professores a aprender...

    ResponderExcluir
  3. Foi uma honra sem tamanho ter conhecido uma pessoa que tanto tem a nos ensinar.
    😊

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Caro Attico,

    possuo dois baobás em vasos, para que cresçam como bonsais. O fruto do baobá é chamado mukua e é um remédio natural contra malária (rico em quinino). Normalmente as mukuas estão maduras entre setembro e dezembro. Como Recife é a capital dos baobás, enviarei algumas sementes com as instruções para você, assim que chegar a época. E,da próxima vez que vir ao Recife, te levarei a visitar alguns de nossos exemplares, inclusive o que dizem ter sido plantado por Maurício de Nassau e que teria servido de inspiração ao Exupèry para escrever o Pequeno Príncipe.

    Abraços,

    PAULO MARCELO

    ResponderExcluir
  7. Caríssimo Chassot,

    Para nós foi uma honra recebê-lo em nosso estado e principalmente em nosso evento.
    Com certeza aprendemos muito com seus ensinamentos e com sua experiência. Para os que tiveram a sorte de conviver com o senhor além das palestras, constatou que sua grandeza não se resume em seu trabalho, mas na pessoa incrível que o senhor é.
    Obrigada por nos permitir aprender mais da quimica da vida!

    Um afetuoso abraço.

    Odisséia Gaspareto

    ResponderExcluir
  8. Professor Chassot,

    Obrigado pelas palavras, pelo ensinamento. Amanhã, ao entrar em sala, falarei aos meus alunos da honra que tive em acompanhá-lo nesses poucos momentos, mas os quais levarei por toda a minha vida.

    Um grande abraço,

    Márcio Bezerra

    ResponderExcluir
  9. Querido professor Chassot,

    Mais que uma honra em tê-lo em terras potiguares, foi de
    uma alegria e satisfação imensuráveis!
    Feliz demais por tê-lo acolhido tão bem. Anseio em poder vê-lo palestrar mais uma vez.
    Muito obrigada por tudo, por proporcionar momentos únicos em nosso evento.

    Um grande abraço repleto de carinho.

    Profa. Dra. Ayla Márcia Cordeiro Bizerra - Química
    Coordenadora do Curso de Licenciatura em Química - IFRN
    Campus Pau dos Ferros

    ResponderExcluir
  10. ​Querido Chassot, boa noite!!

    Que bom que chegou bem em casa e com disposição para logo cedo voltar ao trabalho.

    Sem sombra de dúvida a história da nossa instituição e da nossa semana de química ficou marcada com a sua sabedoria...foi muito rico passar esses dias com você.

    Fico muito feliz em saber que agora fazemos parte de sua história...desde muito que o autor/educador CHASSOT faz parte da minha história, mas agora, além disso, o ser humano, o cidadão brasileiro...

    Toda energia do mundo para continuar transformando o mundo em um lugar melhor para se viver.

    Abraços,
    Ulysses Vieira
    Professor de Química do Ensino Básico, Técnico, Tecnológico
    IFRN - Campus Pau dos Ferros

    ResponderExcluir