TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

segunda-feira, 21 de maio de 2012

21.- ARTEFATO e MENTEFATO



Ano 6*** www.professorchassot.pro.br ***Edição 2119
Neste domingo, houve leitores que não conseguiram acessar meu blogue com tranquilidade. Parece que isso está restrito ao navegador Google Chrome. 
Aparece esta informação: “Aviso: algo está errado aqui! mestrechassot.blogspot.com.br contém conteúdo do www.web-counter.net, um site conhecido por distribuir malware. Seu computador pode ser infectado por um vírus se você visitar este site”. Se for clicado em Continuar, mesmo ante ameaça, tudo passa ocorrer normalmente.
Realizei o diagnóstico na página de navegação segura e diz que está tudo certo, mas o alerta continua. Com outros navegadores parece que tudo está normal.
A edição de 03 de maio, quinta-feira, na qual havia uma saborosa referência à assemblage, ao tentar responder ‘¿O que é Ciência, afinal?’ encerrava assim: Essa é uma charla que deve continuar, para, talvez, responder, ao referir ser a Ciência um dos mentefatos culturais de lermos o mundo, surge a interrogação: quais são outras possibilidades?
A proposta para esta segunda-feira é continuar aquela conversa: Antes de responder quais os outros óculos para contemplar o mundo natural, um breve parêntesis. Aderi, há não muito, à proposta de diferentes autores e passei a fazer uma distinção entre artefato e mentefato. O ser humano age em função de sua capacidade sensorial, que responde ao material [artefatos], e de sua imaginação, muitas vezes chamada criatividade, que responde ao abstrato [mentefatos]. A realidade percebida por cada indivíduo da espécie humana é a realidade natural, acrescida da totalidade de artefatos e de mentefatos [experiências e pensares], acumulados por ele e pela espécie [cultura]. Assim, uma roda pode ser um artefato e imaginarmos uma roda pode ser um mentefato.
Talvez possamos identificar, além da Ciência, leituras marcadas pelo senso comum, pelos mitos, pelo pensamento mágico, pelos saberes primevos ou pelas religiões. Mais recentemente passei a nominar os saberes populares de saberes primevos, na acepção daqueles saberes dos primeiros tempos; ou saber inicial ou primeiro. É preciso dizer que não se trata de uma simples troca de adjetivo. Há aqui uma postura política: a opção por um adjetivo como primeiro ou primevo não desqualifica tanto um saber, como quando dizemos saber popular. Mesmo que às vezes ainda tenhamos referido 'saberes populares' isso é feito até para dar a atenção para essa diferença (No livro Sete escritos sobre Educação e Ciências na p.198 há justificativa para essa opção).
Aqui e agora, parece ser importante afirmarmos que qualquer uma destas leituras não recebe um aval, ou mesmo um rótulo, de que seja a mais certa ou mais adequada. Cada uma e cada um de nós pode se afiliar a uma destas leituras. Aqui, estimada leitora/leitor, há o convite para pensarmos acerca de como a Ciência lê o mundo natural.
Antecipo que não estejamos desqualificando qualquer uma de outras leituras e muito menos sugerindo que se abandone uma ou outra em favor desta que fazemos central em nossos estudos. Há também a convicção que mesmo que nos afiliemos a Ciência, também usamos em diferentes momentos leituras marcadas pelo senso comum (quando nos encantamos com um pôr do sol); pelo pensamento mágico (quando buscamos a cura através de uma poção dita milagrosa ou consultamos horóscopos); pela religião (quando rezamos ou pedimos algo a um Ser superior); buscamos leituras mitológicas (recorda como Freud usou os mitos para explicar a alma humana; e, encontramos nos saberes primevos explicações para nossos fazeres cotidianos.
Espero que tenhamos caminhado mais um pouco.

6 comentários:

  1. Caro Attico,
    aprender a ver o mundo com os óculos da ciência é emocionante,gratificante útil para nossas vidas,um processo prazeroso que nutre o intelecto e alma.
    Com as lentes da ciência o planeta fica mais interessante e desafiador.
    Sem dispensar as outras lentes religião,pensamentos mágicos tudo tem seu tempo,temperança.

    ResponderExcluir
  2. Caro Chasot,
    Tive que mudar de navegador conforme sugerido por você, mas sempre vale a pena algum sacrifício para acessar essa valiosa fonte de informações.
    Quanto à matéria de hoje, completamente válida a as várias leituras que se pode fazer do universo, contudo, não é iso que vem a baila quando se trata de discussão entre religião e ciencia. Em geral os religiosos criacinistas querem impor sua versão deformada das coisas, como se fosse ciência, então é essa a briga. A ciência não se preocupa com a religião, só não quer que ela tente ocupar um campo que não é seu. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  3. Caro Chassot,
    de fato, pelo GoogleCrome o problema continua; por diversas vezes, antes desse aviso, quando clicava dentro da página do teu blog abria-se imediatamente uma página que oferecia venda de sapatos e bolsas femininas. Estou conseguindo abrir o teu blog pelo Explorer, mas a oferta de claçados da "Daffiti" continua aparecendo quando clico no blog.

    Um abraço,

    Garin

    ResponderExcluir
  4. No meu blog estava acontecendo o mesmo(http://profjjb.blogspot.com.).Verifique se o contador de visitas é do (www.web-counter.net,).Caso seja;retire.
    Eu retirei o contador do,www.web-counter.net,e a mensagem desapareceu.

    ResponderExcluir
  5. No meu blog estava acontecendo o mesmo(http://profjjb.blogspot.com.).Verifique se o contador de visitas é do (www.web-counter.net,).Caso seja;retire.
    Eu retirei o contador do,www.web-counter.net,e a mensagem desapareceu.

    ResponderExcluir
  6. Meu caro José,
    obrigado. Realmente foi preciso retirar o contador e tudo se resolveu, como conto na edição de hoje. A tentativa de conhecer o teu blogue levou-me a Servidor não encontrado
    O Firefox não conseguiu localizar profjjb.blogspot.com.).verifique.
    Tento com o outro navegador.
    Renovo agradecimentos
    attico chassot

    ResponderExcluir