TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

sábado, 10 de março de 2012

10.- UMA DICA DE LEITURA COLORIDA



Ano 6 *** www.professorchassot.pro.br *** Edição 2047
Na última quarta-feira~~EDIÇÃO 2044~~, contei aqui que o capítulo sobre o amarelo presente no livro “La ciencia del color: historias y pasiones en torno a los pigmentos foi que temperou a blogada Açafrão, muito apreciada pelos leitores. Disse que não sabia explicar muito bem porque incluíra este livros nas compras quando me deleitei nas livrarias de Buenos Aires. Hoje posso dizer que o quase acaso foi bom conselheiro.
Anunciava que traria este livro em um próximo sábado. Cumpro a promessa e faço da dica leitura sabática uma proposta muito colorida:
VON REBEUER, Ana. La ciencia del color: historias y pasiones en torno a los pigmentos. 1ª ed. Buenos Aires: Siglo Ventiuno Editores, 128 p; 14 x 14 cm (Coleção ciencia que ladra, dirigida por Diego Golombek). ISBN 978-987-629-147-7.
A argentina Ana von Rebeur se apresenta como jornalista, escritora, desenhista, artista plástica, humorista gráfica, editora, ilustradora, produtora de rádio e televisão, investigadora nata e autora de mais de trinta livros publicados na América Latina e na Espanha, com publicações também na França, Alemanha, Iran, Bósnia, Estados Unidos entre outros. 
Estudou, em nível universitário em cursos de Psicologia, Desenho Gráfico, Química e Jornalismo. Da leitura do livro e extenso currículo, a esta variada lista, eu acrescentaria: com expertise em autoajuda. Mais informações sobre a autora podem ser vistas em www.anavonrebeur.com.ar
O livro tem 16 coloridos capítulos. Os 5 primeiros (em tradução livre para o português) são: 1. Mergulho no arco-íris; 2. ¿Como vemos as cores?; 3. Arco-iris, camarões, sol verde, e outros temas coloridos; 4. ¿Para que servem as cores; 5. A desesperada busca das cores; os 10 seguintes (do 6 ao 15) têm títulos de cores adjetivadas: Branco luminoso / Marrom tentador / Vermelho paixão / Rosa doce / Laranja crocante / Atenção: Amarelo / Verde sexi / Azul profundo /Violeta exótico / Negro luto e o 16. Graças às cores.
Diego Golombek, diretor de ‘Ciencia que ladra’, abre a apresentação do livro e da coleção com uma epigrafe da Teoria das cores de J.W. Goethe que mereça que transcreva: “Esta demostrado com clareza que a luz, a sombra e as cores têm que ser considerada elementos da visão e que as cores são produtos das duas primeiras.” Assim, já com Goethe aprendemos que as cores que vemos, depende mais de nós mesmos do que de fenômenos externos, razão pela qual cada um de nós pode estar vendo uma coloração diferente, e por que a temos convencionado assim, não discutimos. Aqui, não há como não recordarmos do excelente “A ilha dos daltônicos’ do neurocientista Oliver Sacks.
As páginas do livro são permeadas de histórias sobre as cores — como exemplifiquei aqui na última quarta-feira —, que vão desde a perseguição obsessiva dos pintores cavernícolas e os alquimistas da Renascença para alcançar a pintura ideal para os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos, como se pode ler na biografia de Steve Job na obsessão na pintura de seus produtos.
A Ciência das cores é cheia de surpresas, incluindo não apenas guerras por pigmentos mais puros e envenenamentos por contato com substâncias tóxicas. E claro, como já ensinava Goethe, como nossos olhos e os nossos cérebros interpretam um universo de luzes multicoloridas.
Assim, La ciencia del color: historias y pasiones en torno a los pigmentos — disponível em vários sítios na Web é uma boa dica para que quer se envolver com a luz, com a visão ou com os mil distintos tons de verde. O livro tem um blogue — poderososcolores.blogspot.com — com referencias, dados curiosos sobre cores e opiniões.

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Uma das minhas questõezinhas da infância era bem essa, como eu sei que o meu azul (ou outra cor) é o mesmo azul teu?? Me diz como ele é, pedia eu... rsrsrs
    Um final de semana bem colorido!

    ResponderExcluir
  3. Caro Chassot,
    Excelente dica, como sou pintor nas horas ociosas, vou adquirir sem piscar esse precioso livro. Obrigado pela indicação e bom fim de semana calorento, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Caro Chassot,
    quando se trata de cores, as que mais gosto são o vermelho e o branco. Sei que não são as tuas cores preferidas, mas para mim, sempre estão em alta.

    Um Abraço,

    Garin

    ResponderExcluir
  5. Caro Chassot,

    para um daltônico como eu, faço menção a Kant (brincando com meus estudantes):

    "A realidade é aquilo que percebemos através de nossos sentidos. Então, não sou eu que deixo de enxergar cores. São vocês que enxergam cores irreais".


    Forte abraço.

    ResponderExcluir