TRADUÇAO / TRANSLATE / TRADUCCIÓN

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

14.- ¿O que é Ciência afinal?

Ano 6

PORTO ALEGRE

Edição 1868

Quando a maioria de meus leitores acessar esta edição, devo estar – assim, queiram os deuses encarregados de determinar a intensidade de neblina nos aeroportos – em Niterói. Esta manhã, antes das 5 horas, devo estar saindo para o Salgado Filho, para viajar ao Rio de Janeiro e então, atravessar a baía da Guanabara, para às 10h30min iniciar a palestra A Ciência é masculina? É, sim senhora! na XXII Semana do curso de Química da Universidade Federal Fluminense. Amanhã, volto cedo ao Rio de Janeiro, para ir a Uberlândia onde tenho falas à tarde e à noite.

Desde a noite da última sexta-feira, estou matutando escrever algo acerca da questionadora palestra “Como anda a Ciência?” proferida pelo Prof. Dr. Guido Lenz (UFRGS) como aula inaugural dos Mestrados Profissional de Reabilitação e Inclusão e Acadêmico de Biociências e Reabilitação do Centro Universitário Metodista, do IPA.

Não tenho a pretensão de fazer uma síntese da palestra, mas tentar ampliar algumas discussões que surgiram durante o debate, mesmo que este tenha sido muito tênue. É importante aproveitarmos momentos acadêmicos como o de uma aula magna, para estimular discussões. É isto que esta edição quer catalisar.

Talvez, antes de envolver-nos com a pergunta título, pudéssemos perguntar O que é Ciência afinal? Este interrogante é título de um livro[i] mais de 300 páginas de Alan F. Chalmers – no original What Is This Thing Called Science? ou O que é essa coisa chamada Ciência?que traz extensas tentativas de responder à questão que a meu juízo é fulcral. É importante definirmos de que Ciência estamos falando.

Aqui e agora, não é possível fazer uma discussão do livro de Chalmers. Trago uma definição que aceito possa ser rotulada como reducionista. Mas, serve aos propósitos deste texto: Ciência pode ser considerada uma linguagem construída pelos homens e pelas mulheres para explicar o nosso mundo natural. Permito-me sublinhar, agora, apenas dois pontos nesta definição de Ciência:

a) é um construto humano, isso é, foi construída pelos homens e pelas mulheres. Como consequência desta natureza humana, a Ciência não tem a verdade, mas aceita algumas verdades transitórias, provisórias em um cenário parcial onde os humanos não são o centro da natureza, mas elementos da mesma. O entendimento destas verdades – e, portanto, a não crença nas mesmas –, tem uma exigência: a razão. Aqui temos um primeiro alerta: diferentemente das religiões, que admitem ter verdades reveladas, a Ciência não tem a Verdade e sim verdades provisórias ou interpretações temporárias ou desafios a resolver ou achados reveladores.

b) trago um segundo sublinhamento: afirmar que a Ciência é uma construção dos homens e das mulheres acoberta uma questão de gênero significativa. Escrevi um livro[ii] no qual procuro mostrar que a Ciência é uma construção masculina, como também o são masculinas as Artes, a Filosofia, a Política, a Religião, o Esporte. Estas construções culturais são, predominantemente, masculinas, brancas e eurocêntricas. Aliás, as religiões também podem ser consideradas construtos humanos masculinos (mesmo que aceitos por alguns como legados divinos) e têm responsabilidades muito grandes nesse enviezamento machista da Sociedade.

Assim, considerar a Ciência como “uma linguagem para facilitar nossa leitura do mundo natural” e sabê-la como descrição do mundo ajuda a entendermos a nós mesmos e o ambiente que nos cerca. Mas atenção: a Ciência é apenas um dos diversos óculos que podemos usar para ler o mundo. E mais: não se afiança que seja o melhor. Provavelmente para aqueles de nós que nos envolvemos com a Academia, a Ciência possa parecer o melhor óculo.

Talvez possamos identificar no nosso cotidiano, além da Ciência, leituras do mundo marcadas pelo senso comum, pelos mitos, pelo pensamento mágico, pelos saberes primevos ou pelas religiões. Aqui e agora, parece ser importante afirmarmos que qualquer um destes mentefatos[iii] não recebe um aval, ou mesmo um rótulo, de que seja o melhor (=mais certo) ou mais adequado. Cada uma e cada um de nós pode se afiliar a uma destas leituras. Ou em determinadas circunstâncias, usar mais de um óculo, ao mesmo tempo. Nesta situação há que se estar alerta a possíveis embaralhamentos por usar-se mais de um óculo, ao mesmo tempo.

Volto ao debate suscitado pela palestra. O Prof. Dr. Norberto Garin trouxe uma boa analogia: Quem pertence a uma Igreja? Aquele que segue os cânones da mesma. Temos, por exemplo, dezenas de Igrejas cristãs que têm significativas semelhanças /diferenças e que nem sempre se aceitam entre si. A Ciência também tem seus sacerdotes e suas paróquias.

Afirmei no debate, por exemplo, que os que fazem vírus para computadores, por exemplo, são cientistas. Entendo que alguém possa não aceitar isso, pois a ‘sua Ciência’, tida por ele como uma ‘imaculada concepção’ está sendo comparada com uma Ciência prostituída, logo expulsa da paróquia que abriga a Ciência não mazelada.

E a biopirataria? Não são cientistas aqueles que patenteiam espécies animais e vegetais que são patrimônio da humanidade? Temos o caso dos suínos, das galinhas, do milho e dezena de exemplos de sementes que não são sementes porque programadas para ser estéreis em uma segunda geração. Por outro lado não é cientista o agricultor que agrega valor ao milho caipira, fazendo melhoramentos genéticos com a troca de sementes com outros agricultores?

Assim, não há que ter surpresa com a afirmação: “Os produtores de vírus (para

computadores, por exemplo... poderia ser para guerras biológicas) não são cientistas!”. Afinal, os cátaros (mesmo que pregassem uma religião mais voltada à igreja primitiva), não eram considerados cristãos, e sim, heréticos, pois afinal eles não pensavam como os dirigentes da Igreja hegemônica.

Os critérios da exigência de uma ligação a ortodoxia, são bem postos quando se apresentam as exigências para pertencer a uma determinada grei: treinamento em Ciência (graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado); financiamento; revisão pelos pares; índice de impacto; citações...

Dizer que os produtores de vírus não têm treinamento, não publicam, não tem finaciamento, não são julgados pelos pares... pode ser um ledo engano.

Espraiei-me de mais. Queria falar na Ciência vista como o Golem. Fico devendo. Prometo pagar a dívida. Até outro encontro. Uma muito boa quarta-feira. Amanhã nos lemos, provavelmente, de Niterói.

[I] CHALMERS, A. F. O que é Ciência, afinal? São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

[II] CHASSOT, Attico. A Ciência é masculina? São Leopoldo: Editora UNISINOS. (2011, 5ª. ed.) 2003

[III] Trago uma distinção entre artefato e mentefato. O ser humano age em função de sua capacidade sensorial, que responde ao material [artefatos], e de sua imaginação, muitas vezes chamada criatividade, que responde ao abstrato [mentefatos]. A realidade percebida por cada indivíduo da espécie humana é a realidade natural, acrescida da totalidade de artefatos e de mentefatos [experiências e pensares], acumulados por ele e pela espécie [cultura].



9 comentários:

  1. Paulo Fensterseifer Junior14 de setembro de 2011 00:52

    Olá Professor!
    Ótimo texto! Acredito ser um bom assunto para rodinha da próxima terça!
    Boa viagem!

    Abraço

    Paulo

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, mestre!
    Já estava com saudades de tua forma de falar[escrever], Professor.
    É cada vez mais fascinante "ouvir" o senhor falar sobre Ciência.
    Conheço o livro do Chalmers, já tive oportunidade de discutir um pouco acerca dele com a Professora Agustina, em Epistemologia.
    Mas tenho que concordar com senhor quando diz:
    "...a Ciência não tem a Verdade e sim verdades provisórias ou interpretações temporárias ou desafios a resolver ou achados reveladores."
    E também:
    "...a Ciência como “uma linguagem para facilitar nossa leitura do mundo natural” e sabê-la como descrição do mundo ajuda a entendermos a nós mesmos e o ambiente que nos cerca."Sem esquecermos de que ela é "apenas um dos diversos óculos que podemos usar para ler o mundo."
    Cada vez que passo um certo tempo sem vir aqui, me re - encanto!
    Um mol de abraços, Professor! E, boa viagem!

    ResponderExcluir
  3. Caro Chassot,
    Blogada espinhosa, importante, relevante, significativa, momentosa, complexa e polêmica. Primeiro: A ciência, como não se propõe ser "dona da verdade", está sujeita a qualquer interpretação ou qualquer definição, portanto, podemos enquadrá-la como nos aprouver sem medo de errar. Segundo: A ciência não é dogmática, suas afirmações, embora as vezes provisórias, sempre estão baseadas em fatos e não em especulações, como as superstições e misticismos. Quanto ao uso que se faz dela, podemos afirmar que biopirataria é ciência sim. A ciência descobre, define, afirma e constrói, mas não tem ação sobre como suas descobertas serão usadas. Depois do descobrimento da fissão nuclear os descobridores perderam o controle do uso que se faria dessa força descomunal que resultou na bomba atômica, e é assim que as coisas continuam sendo. Produzi um texto sobre maconha transgênica que ilustra bem esse imbróglio, vou mandá-lo por email para você. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Caro Chassot,

    a tua primeira provocação está muito boa. Precisamos te cobrar o saldo. Entretanto, cada 'paróquia' imagina possuir a verdade que salvará toda a humanidade de todo o pecado. O problema é que há choque entre as paróquias resultantes de interpretações diferentes sobre a oikoumene. É fundamental descobrir que o saber é resultado de construções coletivas e dialogadas - interdisciplinares. Assumir a propriedade de qualquer verdade é sempre um risco considerável. Mesmo no diálogo interdisciplinar, ainda assim o conhecimento que resulta pode ser contestado, posto que circunscrito a um determinado contexto sócio-cultural e cronológico.

    Uma boa palestra. Um abraço!

    Garin

    ResponderExcluir
  5. Muito estimado Paulo,
    fiquei muito orgulhoso com teu comentário, postado um pouco depois de nossa aula.
    Um abraço desde uma Niterói chuvosa.
    attico chassot

    ResponderExcluir
  6. Muito querida Thaiza,
    saudades estava eu, Teus comentários – pelo teu fazer na área da Educação Química – qualifica este blogue.
    Desde Niterói um agradecimento pela parceria intelectual
    attico chassot

    ResponderExcluir
  7. Valeu, estimado Jair,
    quando alguém que não tem a boca torta viciada pelo cachimbar(leia-se: não tem os ranços da Academia) faz comentário como o que fizeste, digo-me que vale a pela ser bloguista.
    Com apreço

    attico chassot

    ResponderExcluir
  8. Garin, meu caro parceiro de provocações epistemológica,
    matutar este texto foi catalisado por tua fala.
    Obrigado pela ajuda.
    Vou cumprir o prometido e continuar olhando a Ciência.
    Coo agradecimentos
    attico chassot

    ResponderExcluir
  9. Ave Chassot,

    estou botando minha leitura em dia.
    Esta semana de fim de trimestre me atarefou.

    Achei este texto formidável! Muito instrutivo, vou passar aos meus alunos.

    Abraços,
    Guy.

    ResponderExcluir